sexta-feira, julho 19, 2024

Reservas de Gás Natural por País

 fonte: Visual Capitalist

Top 10: líderes mundiais mais bem pagos em 2024

 fonte: Visual Capitalist

As 100 melhores universidades do mundo, por país

 fonte: Visual Capitalist

Satisfação com a democracia, em 26 países

 fonte: Visual Capitalist

Expectativa de Vida vs. Gastos em Saúde Per Capita

 fonte: Visual Capitalist

Gastos de defesa de estados-membros da OTAN sem os EUA (2012-2024)

 fonte: Visual Capitalist

Países com mais milionários e bilionários

 fonte: Visual Capitalist

Os 10 principais países que recebem ajuda externa dos EUA

 fonte: Visual Capitalist

O que impulsionou o mundo em 2023

 fonte: Visual Capitalist

Biden e Trump: os candidatos presidenciais menos apreciados em mais de 30 anos

 fonte: Visual Capitalist

2024: Como os americanos assistem TV


 fonte: Visual Capitalist

María Corina Machado denuncia atentado contra si e a sua equipa na Venezuela

A líder venezuelana María Corina Machado, que em outubro de 2023 venceu as primárias da oposição, revelou  que foi alvo de um atentado contra si e a sua equipa. O alegado atentado, segundo explicou na sua conta da rede X, teve lugar na cidade venezuelana de Barquisimeto (370 quilómetros a oeste de Caracas), estado de Lara, onde pernoitou depois de na quarta-feira ter realizado um comício no vizinho estado de Portuguesa. “Alerta mundial: Na madrugada de hoje, eu e a minha equipa fomos alvo de um atentado em Barquisimeto, no estado de Lara. Os nossos carros foram vandalizados e cortaram as mangueiras dos travões”, denunciou María Corina Machado. Na mesma rede social, a opositora explica que “agentes do regime" os seguiram "desde [o estado de] Portuguesa e cercaram a urbanização" onde passaram a noite. “A campanha de Maduro é a violência e ele é responsável por qualquer dano à nossa integridade física. Não nos vão parar”, sublinha na X.

A oposição denunciou  que as autoridades venezuelanas encerraram os terminais de transporte terrestre do estado de Portuguesa (centro do país) onde María Corina Machado realizaria um comício no âmbito da campanha para as eleições presidenciais de 28 de julho. Na mesma rede social María Oropeza insta os venezuelanos a sair e apoiar a María Corina Machado e o seu substituto, Edmundo González Urrutia, candidato às presidenciais de 28 de julho. Segundo a imprensa local, teriam sido ameaçados também alguns comerciantes. Também na X, o Comité de Direitos Humanos de “Vente Venezuela” denuncia que “foram apreendidos o palco e o equipamento de som que a líder desta organização utilizaria durante a sua visita ao estado de Portuguesa, onde se reunirá com os seus apoiantes”.

Por outro lado, o “Vente Venezuela” explica que em 13 de julho último as autoridades tentaram impedir, sem sucesso, o livre trânsito de cidadãos no estado de Carabobo (centro-norte do país) para impedir que chegassem a uma concentração da oposição. Nesse dia, imagens divulgadas pelas redes sociais davam conta que tinham sido instalados pontos de controlo de trânsito (operações stop) em várias avenidas da cidade de Valência, capital do estado de Carabobo. A ONG Foro Penal (FP) denunciou na terça-feira que estão a aumentar as detenções políticas relacionadas com as eleições presidenciais na Venezuela, país onde 301 pessoas estão detidas por motivos políticos, 124 delas no âmbito da campanha eleitoral da oposição.  “Houve um aumento significativo do número de presos políticos. Hoje há 301 presos políticos na Venezuela”, disse o diretor do FP (Lusa, texto do jornalista Filipe Gouveia)

Las dudas sobre si el chavismo aceptaría una derrota mantienen en vilo a la oposición en Venezuela

Nadie sabe con seguridad cómo va a amanecer en Venezuela el 29 de julio, un día después de las elecciones presidenciales. El candidato de consenso de la oposición, Edmundo González Urrutia, puntúa en las encuestas más fiables por encima del actual presidente, Nicolás Maduro. En condiciones normales, el traspaso de poderes entre un presidente saliente y otro entrante sería una mera formalidad institucional, pero en el contexto en el que se encuentra Venezuela resulta una incógnita. Los opositores vislumbran una clara oportunidad de cambio en el país después de 25 años de chavismo y dan casi por segura su victoria. Al mismo tiempo, se preguntan si la revolución bolivariana, que ahora mismo controla todos los resortes del Estado, aceptaría una derrota y dejaría que, en enero del año que viene, alguien distinto a Maduro entrase por la puerta del Palacio de Miraflores, la sede del Gobierno.

Edmundo González ha recibido casi todo el capital político de María Corina Machado, la líder opositora vetada electoralmente por el oficialismo. Machado se recorre estos días el país promoviendo el nombre de González, que hasta hace poco era un diplomático desconocido que había pasado toda su vida en la trastienda del poder. El candidato repite en campaña que ejecutará una transición ordenada, sin traumas ni revanchismo. En la oposición cunde la idea de que hay que facilitar una salida al chavismo, al que le preocupa que una vez deje la presidencia puedan investigar este cuarto de siglo atrás. Sobre el propio Maduro pesa una recompensa de 15 millones de dólares que ofrece la DEA estadounidense.

RTP - O preço da vida

Ao longo de vários meses, um grupo de jornalistas europeus comparou os preços e a disponibilidade de vários medicamentos inovadores nos países da União Europeia. A conclusão deste trabalho é clara: muitos destes medicamentos não estão disponíveis em vários países e o seu preço não se baseia nos custos de fabrico, nem no investimento feito na sua investigação. Nos últimos anos os preços dos medicamentos dispararam. Alguns atingem valores impensáveis, como o Zolgensma, que marca a actualidade em Portugal - o tão mediático "caso das gémeas". Veja o documentário na totalidade aquiaqui

Detenido en Venezuela el jefe de escoltas de María Corina Machado

Las autoridades chavistas han detenido a Milciades Ávila, el jefe de escoltas de María Corina Machado, la líder de la oposición. Ávila se encontraba durmiendo en su casa cuando los funcionarios entraron por la puerta, según ha explicado el comando de campaña de Machado, que en esta campaña electoral, camino a las elecciones presidenciales del 28 de julio, ha extendido todo su apoyo a Edmundo González, al que el chavismo sí la ha permitido participar como candidato. Ávila, expolicía, lleva 10 años trabajando para Machado y ahora se desempeña como el jefe de su unidad de protección. “Ávila me ha acompañado alrededor de todo el país y ha arriesgado su vida para defenderme. Esta madrugada fue secuestrado por el régimen acusado de violencia de género contra unas mujeres que el pasado sábado intentaron agredirnos a Edmundo y a mí en La Encrucijada”, explicó la opositora en X.

Para Machado, ese grupo de mujeres había preparado una estrategia para meter en problemas a su equipo: “Hay decenas de testigos y videos que demuestran que ese acto fue una provocación planificada para dejarnos sin protección a 11 días del 28 de julio. Hago un ALERTA al mundo sobre la escalada de represión de [Nicolás] Maduro contra quienes trabajan en la Campaña o nos ayudan en cualquier parte del país. Maduro ha hecho de la violencia y la represión, su campaña”. La líder opositora, que arrasó en unas primarias antichavistas que se celebraron el año pasado con más del 90% de los votos, hizo responsable al presidente de “la integridad física de Milciades Ávila y de la de las otras 24 personas de nuestros equipos secuestrados y hoy presos de la tiranía”.

Venezuela: El chavismo confía en una remontada en la recta final de la campaña

Hace un mes, el núcleo duro del chavismo recibió unos sondeos alarmantes. El candidato de la oposición, Edmundo González Urrutia, había pasado en muy pocas semanas de ser un auténtico desconocido a superar en intención de voto al actual presidente, Nicolás Maduro. El propio Maduro, su principal operador político, Jorge Rodríguez, y Diosdado Cabello, el organizador del partido, se encontraron con una situación límite. A los tres, encargados de la campaña, les tocaba remar río arriba. Esos mismos datos cayeron en manos de Gustavo Petro y de Lula Da Silva, que pensaron que quizá era el momento de sentar las bases de una transición ordenada, sin traumas, un cambio de ciclo político y de regreso a los cauces democráticos después de 25 años de chavismo.

Sin embargo, Maduro y los suyos no han dado señales de tener la intención de dejar el poder. En primer lugar, porque consideran que se trata de un “supuesto negado”. El término se escucha ahora en todas las tertulias chavistas. Aunque una palabra anula a la otra, viene a decir que la victoria de Edmundo es un imposible, algo que no puede darse bajo ningún concepto. Se niega la existencia de tal escenario. Es más, a los dirigentes chavistas consultados es difícil escucharles pronunciar el nombre del candidato rival. Sencillamente, no está en la ecuación. Y, en segundo lugar, porque el chavismo confía todavía en su capacidad de movilización, pese a que las encuestas fiables los sitúan muy lejos de la oposición.

quarta-feira, julho 17, 2024

Estado não está interessado em saber se gasta bem ou mal o seu dinheiro, conclui Tribunal de Contas

A implementação de revisões da despesa não foi bem-sucedida nas duas últimas vezes em que foi implementada, durante os anos da troika e entre 2016 e 2023, por descoordenação entre instituições e indefinição dos critérios, diz o Tribunal de Contas. A terceira tentativa foi uma “obrigação” do PRR e está em curso. O Estado português não esteve particularmente interessado em perceber se, como, e onde estaria a despender mal o seu dinheiro. É a conclusão de um relatório do Tribunal de Contas (TdC) sobre as três tentativas de implementação de mecanismos de análise sistemática da despesa pública postas em prática na última década. De 2013 a 2023, falharam as tentativas de implementar revisões da despesa em linha com as recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), pecando pela falta de objetivos claros e pouca transparência, e não tendo gerado nenhumas poupanças.

E isto apesar de os diferentes ministérios das Finanças terem promovido a criação de vários grupos de trabalho para estudar a implementação destas revisões da despesa, interrogando-se também o TdC sobre o trabalho efetuado e os resultados conseguidos por estas estruturas.

O tribunal que audita a despesa pública solicitou contraditório a uma lista vasta de ministros e ex-ministros com responsabilidades na alocação de despesa. Os ex-ministros Mário Centeno e João Leão não responderam à notificação do TdC. Já Fernando Medina, o ministro das Finanças do último governo de António Costa, optou por não tecer comentários em relação às conclusões da auditoria.

Isso levou o TdC a inferir que “não houve uma efetiva responsabilidade política pela implementação deste instrumento de racionalização da despesa pública, o que constitui, seguramente, um dos fatores explicativos da ausência de resultados com o exercício da revisão da despesa”.

O mundo está sentado em cima de um problema de 84 biliões de euros. Vêm aí "escolhas difíceis"

Os governos devem um valor-recorde de 91 biliões de dólares (cerca de 84 biliões de euros), um valor quase equiparável ao tamanho da economia global e um que, em última instância, vai afetar gravemente as suas populações. O peso da dívida cresceu tanto – em parte por causa do custo da pandemia – que representa agora uma crescente ameaça para os padrões de vida até em economias ricas, incluindo os Estados Unidos. Ainda assim, num ano de eleições por todo o mundo, os políticos estão, em larga medida, a ignorar o problema, sem disposição para falar com os eleitores sobre o aumento de impostos e os cortes nas despesas que são necessários para fazer face ao dilúvio de empréstimos. Em alguns casos, estão mesmo a fazer promessas extravagantes que podem, no mínimo, fazer subir novamente a inflação e até desencadear uma nova crise financeira.

Este mês, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reiterou o seu aviso de que os “défices fiscais crónicos” nos EUA precisam de “respostas urgentes”. Os investidores partilham há muito a sua inquietação sobre a trajetória de longo prazo das finanças do governo norte-americano. “[Mas] os contínuos défices e o aumento do peso da dívida [agora] fazem com que seja mais um problema de médio prazo”, diz à CNN Roger Gallam, responsável mundial pelas taxas de juro na Vanguard, uma das maiores gestoras de ativos do mundo. À medida que o peso das dívidas se amontoa em todo o mundo, os investidores estão a ficar ansiosos. Em França, a turbulência política exacerbou as preocupações quanto à dívida pública do país, fazendo disparar os rendimentos das obrigações, ou os rendimentos exigidos pelos investidores. 

Este local de férias em Itália está a recusar turistas porque está a ficar sem água


A Sicília começou a impor restrições de água em fevereiro, quando a região declarou o estado de emergência no meio de uma seca implacável. Situada no topo de uma colina na ilha italiana da Sicília, Agrigento é um paraíso para os turistas que gostam de património. Por baixo das estruturas arqueológicas e das relíquias do seu Vale dos Templos, encontra-se um antigo sistema de aquedutos em forma de labirinto que ainda hoje capta água. Mas o aqueduto, e outros construídos nos tempos modernos, estão a ficar tão secos que os pequenos hotéis e pensões da cidade e da costa próxima estão a ser obrigados a recusar turistas. Não têm água suficiente para garantir aos seus hóspedes uma casa de banho com autoclismo ou um duche depois de um dia de calor no verão.

A Sicília começou a impor restrições de água em fevereiro, quando a região declarou o estado de emergência no meio de uma seca implacável. As infraestruturas envelhecidas e com fugas de água só agravaram a escassez, que atingiu o turismo e a agricultura, dois setores cruciais para a economia da Sicília.

O racionamento está a ser aplicado a mais de um milhão de pessoas em 93 comunidades. Algumas estão a ter de reduzir o consumo de água até 45%. Isto significa que as torneiras secam de acordo com o horário e que o abastecimento é completamente cortado durante a noite na maioria dos sítios. Ter água suficiente para beber é uma questão de se organizar durante o dia. No TripAdvisor e noutros fóruns de viagens, os turistas perguntam se vale a pena visitar as zonas afetadas da Sicília. Os hotéis estão a avisar os clientes sobre a potencial escassez e estão a ajudar os visitantes a fazer novas reservas noutros locais da ilha onde as restrições são menos severas ou não estão em vigor.

Críticas dos portugueses à Justiça são risco para a democracia

O investigador Pedro Magalhães, um dos autores de um inquérito que aponta vários problemas na justiça portuguesa, considera que a perceção sobre o sistema judiciário pode colocar em causa a democracia plena em Portugal.  Para uma "democracia plena", não bastam eleições livres, o "acesso à Justiça é também visto como um aspeto central", referiu à Lusa o investigador do inquérito feito pelo Instituto de Políticas Públicas e Sociais (IPPS) do Iscte -- Instituto Universitário de Lisboa, hoje tornado público, integrado no relatório "O Estado da Nação e as Políticas Públicas 2024", totalmente vocacionado para o sistema de Justiça.

Para o investigador, as dúvidas quanto à eficácia e justiça do sistema judicial podem "afetar a crença na própria democracia como regime político. "Em 2012 e em 2021, o European Social Survey mediu as avaliações que os europeus fazem de vários aspetos do funcionamento das suas democracias" e "a igualdade perante a lei e a justiça era um dos aspetos mais valorizados". Portugal, no entanto, era um dos países onde havia "um maior desfasamento entre a importância dada a esse aspeto e avaliação da sua concretização", recordou o investigador.  Então, a desigualdade perante a lei "era vista como um dos maiores défices democráticos no nosso país", algo que se torna evidente com os resultados deste inquérito. 

Portugueses criticam lentidão e erros da Justiça

A Justiça é a instituição pública mais mal avaliada pelos portugueses, segundo um inquérito hoje divulgado que aponta erros, lentidão e pressões sobre magistrados como principais problemas de um sistema que penaliza os mais pobres e minorias. Estes são alguns dos resultados de um inquérito feito pelo Instituto de Políticas Públicas e Sociais (IPPS) do Iscte - Instituto Universitário de Lisboa, hoje tornado público, integrado no relatório "O Estado da Nação e as Políticas Públicas 2024", totalmente vocacionado para o sistema de Justiça. De acordo com o estudo, "74% dos inquiridos consideram que a Justiça funciona 'Mal' ou 'Muito Mal'", uma avaliação que é a mais negativa feita pelos inquiridos sobre serviços ou estruturas públicas, abaixo do Parlamento, Governo ou Sistema Nacional de Saúde.

"Pelo contrário, as polícias, as forças armadas e as câmaras municipais recebem avaliações positivas por parte da maioria dos inquiridos", segundo o estudo. Entre os inquiridos que avaliam negativamente a Justiça, a maior responsabilidade é atribuída aos juízes, procuradores e governos, numa escala que coloca os "cidadãos em geral" como os menos culpados dos problemas. Numa avaliação mais detalhada ao sistema de Justiça, as considerações "menos positivas concentram-se no desempenho geral do sistema, incluindo rapidez, eficácia e eficiência".

Sondagem: Maioria está insatisfeita com situação política (56%) e não acredita que Governo dure os quatro anos (53%)


A maioria dos portugueses está insatisfeita (56%) com o estado do país político, de acordo com uma sondagem da Aximage para o DN, JN e TSF. As eleições de março passado conduziram a um cenário fragmentado e instável no Parlamento e deram origem a um Governo minoritário. E 53% dos inquiridos não acreditam, por isso, que o Governo se aguente em funções até ao final da legislatura, em 2028.
Luís Montenegro enfrenta hoje, no Parlamento, o seu primeiro debate do Estado da Nação. Um primeiro-ministro que, depois de três meses em funções, é, indiscutivelmente, o político mais popular do país (59% dão-lhe nota positiva, de acordo com o barómetro mais recente). Mas, por outro lado, é um líder partidário que se arriscaria a perder Eleições Legislativas, se as houvesse (o PS regista uma vantagem de dois pontos sobre a AD nas intenções de voto, de acordo com a sondagem publicada domingo passado).
Cenário negativo
Estaríamos, na verdade, perante um empate técnico. Com um país ancorado à direita, graças ao Chega, o parceiro que a AD rejeita. E uma ala Esquerda que, mesmo com um PS na frente, não seria capaz de conquistar uma maioria. O mesmo cenário, afinal, que resultou das últimas Legislativas: fragmentação e instabilidade. Um cenário que 56% dos portugueses consideram negativo (um terço acha que é positivo). Um sentimento maioritário, note-se, em todos os segmentos da amostra (geografia, género, idade, classe social e voto partidário). Também os eleitores da AD estão insatisfeitos (49%).
Daí a concluir que o Governo não vai conseguir manter-se até ao final da legislatura parece um pequeno passo. E é isso que diz também uma maioria dos inquiridos (53%), ainda que, nesta matéria, se destaque a dissidência dos eleitores do PSD e CDS: 56% apontam para um Governo em funções até 2028. Acresce que a crença na capacidade de resistência de Luís Montenegro vai crescendo: em abril passado, e perante a mesma pergunta, eram apenas 21% os que acreditavam que fosse capaz de aguentar os quatro anos. Agora são 34%.

Juízes sócios do Benfica obrigados a julgar clube

Desembargadores são titulares de lugar anual no estádio, mas Relação diz que imparcialidade não está em causa. Dois juízes do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL), sócios do Benfica há mais de 30 e 40 anos e titulares de lugar anual no Estádio da Luz, pediram para ser afastados de um processo cível, que lhes calhou por sorteio, em que iam apreciar uma causa em que o clube é parte interessada. A escusa foi, no entanto, negada pelo vice-presidente do TRL, Carlos Castelo Branco, que considerou não haver “motivo sério e grave, que possa fazer perigar a imparcialidade do julgador, que não está, com toda a certeza, em causa”. Em cima da mesa estavam dois pedidos apresentados pelos desembargadores a 20 de maio (Jornal de Notícias, texto do jornalista César Castro)

Sondagem: É na Justiça e na Saúde que a Nação está em pior estado

O portugueses dizem que o estado da Saúde é mau. E querem que seja esse o tema prioritário do debate sobre o Estado da Nação. Portugueses também estão insatisfeitos com a situação na Economia, Imigração, Emprego e Educação. E dizem que Luís Montenegro deve dar prioridade à Saúde no debate do Estado da Nação. Os portugueses estão pessimistas quanto ao Estado da Nação, de acordo com uma sondagem da Aximage para o JN, DN e TSF. Quando se pede que avaliem seis áreas em concreto, o balanço é bastante negativo, com destaque para a Justiça (79% dizem que a situação é má) e para a Saúde (69%). E quando se pergunta qual deveria ser o tema prioritário a levar por Luís Montenegro para o debate no Parlamento, a Saúde volta a estar em lugar de destaque (34%).

O barómetro político deste mês já indiciava que há um problema que preocupa os portugueses mais do que qualquer outro, com reflexos na avaliação que fazem aos membros do Governo. Se o primeiro-ministro é o político mais popular e se os restantes ministros estão em maré alta, há uma exceção à regra: a ministra com a tutela da Saúde, Ana Paula Martins, está em queda. E isso ajuda a explicar porque é a Saúde é o problema que os inquiridos consideram prioritário para o debate do Estado da Nação (34%), à frente de temas como a Habitação (21%) ou os Salários (20%).

Sondagem: Maioria está insatisfeita com situação política e não acredita que Governo dure quatro anos

Se houver uma crise que precipite eleições, Pedro Nuno Santos e o PS serão os mais beneficiados (40%). Seguem-se André Ventura e o Chega (27%) e só depois Luís Montenegro e a AD (15%). A maioria dos portugueses está insatisfeita (56%) com o estado do país político, de acordo com uma sondagem da Aximage para o JN, DN e TSF. As eleições de março passado conduziram a um cenário fragmentado e instável no Parlamento e deram origem a um Governo minoritário. E 53% dos inquiridos não acreditam, por isso, que o Governo se aguente em funções até ao final da legislatura, em 2028.

Luís Montenegro enfrenta esta quarta-feira, no Parlamento, o seu primeiro debate do estado da nação. Um primeiro-ministro que, depois de três meses em funções, é, indiscutivelmente, o político mais popular do país (59% dão-lhe nota positiva, de acordo com o barómetro mais recente). Mas, por outro lado, um líder partidário que se arriscaria a perder eleições legislativas, se as houvesse (o PS regista uma vantagem de dois pontos sobre a AD nas intenções de voto, de acordo com a sondagem publicada domingo passado).

Estaríamos, na verdade, perante um empate técnico. Com um país ancorado à Direita, graças ao Chega, o parceiro que a AD rejeita. E uma ala Esquerda que, mesmo com um PS na frente, não seria capaz de conquistar uma maioria. O mesmo cenário, afinal, que resultou das últimas legislativas: fragmentação e instabilidade. Um cenário que 56% dos portugueses consideram negativo (um terço acha que é positivo). Um sentimento maioritário, note-se, em todos os segmentos da amostra (geografia, género, idade, classe social e voto partidário). Também os eleitores da AD estão insatisfeitos (49%).

Espanha: Gobierno y comunidades constatan la distancia que les separa para un acuerdo sobre financiacion

Los consejeros regionales de Hacienda, reunidos en el Consejo de Política Fiscal, critican que el Ejecutivo no presente una propuesta para renovar el sistema. “Estéril”, “poco fructífero” y “decepcionante”. Estos son algunos de los adjetivos que las comunidades han utilizado para describir la falta de avances en materia de financiación autonómica en el Consejo de Política Fiscal y Financiera (CPFF) celebrado este lunes, el órgano que reúne a los consejeros regionales de Hacienda con el Estado y en torno al cual se había generado mucha expectativa. La ministra, María Jesús Montero, ha emplazado al PP a involucrarse en la reforma del modelo ante la falta de consenso entre los territorios... (El Pais, texto da jornalista LAURA DELLE FEMMINEDIEGO SÁNCHEZ)

Sondagem Católica. Saúde é o que mais preocupa os inquiridos

Na sondagem da Universidade Católica para a RTP, Antena 1 e Público, os portugueses consideraram a saúde o principal problema em Portugal, seguido de questões económicas como os baixos salários, o custo de vida e a inflação. 47% dos inquiridos olham para o país e consideram que está igual ao ano passado. Há menos pessoas a considerarem que está pior do que há um ano. Na sondagem realizada pela Católica entre os dias 7 e 13 de julho, 32% dos inquiridos disseram que o país está pior do que há um ano. Na sondagem de julho de 2023, eram 65% que tinham a convicção de que s situação estava pior do que no ano anterior. No inquérito de 2022, eram 63% a olharem de forma pessimista para o país.

Desta vez são menos a dizer que a situação está pior, mas só 18% dizem que está melhor do que no ano passado. 47% dos inquiridos apenas diz que o país está “igual” (eram 22% a responder assim no ano passado e 24% com esta resposta em 2022).

A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 957 inquiridos é de 3,2%, com um nível de confiança de 95% Ainda assim, há um pouco mais de otimismo, já que são mais os que dizem que está melhor se compararmos com as respostas de 2023 (12% diziam que estava melhor) e as de 2022 (11% a considerarem o país melhor).

Sondagem Católica. Há mais portugueses com dificuldades em pagar despesas de saúde

Os portugueses continuam a ter dificuldades em cumprir prazos de pagamento em algumas áreas, sendo que este ano é na saúde que mais se sentem esses desafios: 27 por cento assume dificuldades em pagar a fatura dos medicamentos e 22 por cento a conta do supermercado. A conclusão é da sondagem da Universidade Católica para a RTP sobre as condições de vida em Portugal, que revela ainda que 17 por cento dos inquiridos diz ter rendimentos inferiores ao que tinham no ano passado. Na sondagem agora divulgada, verifica-se que 18 por cento dos inquiridos que pagam renda ou prestação de habitação tiveram dificuldades em fazê-lo dentro do prazo, pelo menos uma vez nos últimos 12 meses. Este valor diminuiu ligeiramente, comparando com os 23 por cento registados na sondagem de julho de 2023.

Também no que se refere a despesas como eletricidade, água e gás, os portugueses tiveram menos dificuldade em pagar. Neste estudo, 19 por cento dos inquiridos admitiu ter tido, pelo menos uma vez, dificuldade em cumprir o pagamento a tempo (contra o 20 por cento registados no ano passado). O mesmo se verifica nas despesas de alimentação, sendo que 22 por cento dos inquiridos assumiu ter tido dificuldades, pelo menos uma vez, em pagar. No ano passado esse valor correspondia a 26 por cento, o que demonstra um decréscimo de pessoas com dificuldades em pagar despesas de alimentação.

Já quanto a despesas ou mensalidades com escolas, creches, ATL ou lares de idosos, o valor mantém-se as dificuldades de garantir o pagamento. Tal como nos inquéritos realizados no mesmo período do ano passado, 16 por cento dos inquiridos tiveram dificuldades em pagar estas mensalidades.

Sondagem Católica. PGR continua com avaliação "razoável"

A sondagem da Universidade Católica para a RTP, Antena 1 e Público revela que 37% dos inquiridos avalia a atuação do Ministério Público e da Procuradoria-geral da República como "razoável". Se compararmos os resultados agora obtidos com os dados da sondagem de maio, vemos que são agora menos aqueles que consideram "má" ou "muito má" a atuação do MP e da PGR. Na sondagem realizada pela Católica entre os dias 7 e 13 de julho, 30% dos inquiridos considerava “má” a atuação do Ministério Público e da Procuradoria-geral da República. Para 17%, a avaliação era mesmo de “muito má”. Na sondagem de maio, eram 34% os que indicava uma atuação “má” e 22% os que a consideravam “muito má”.

Depois de uma onda de críticas, a Procuradora-Geral da República, Luícilia Gago deu a primeira entrevista do mandato à RTP, no passado dia 8 de julho, altura em que estava a ser feita no terreno esta sondagem.

A maioria continua a considerar a atuação “razoável”. Agora são mais os que avaliam assim MP e PGR. Agora são 37%, enquanto em maio eram 35%. Aumenta também o número daqueles que colocam a avaliação como “boa” (são agora 9%, enquanto em maio eram 6%) e “muito boa” (são agora 2%. Em maio, só 1% dava essa classificação).  Se filtrarmos os inquiridos pelas suas preferências de voto, vemos que são mais os eleitores do PS aqueles que consideram “muito má ou má” a atuação daqueles organismos, acima dos votantes na AD (42%) e no Chega (32%), talvez a refletir o que é o sentimento causado pela Operação Influencer e o facto do socialista de António Costa ter saído do poder na sequência desta investigação.

A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 957 inquiridos é de 3,2%, com um nível de confiança de 95%. Entre os eleitores da AD, 42% consideram a atuação do MP e PGR como “razoável” e 14% como “boa ou muito boa”. Entre os socialistas, 28% consideram a atuação “razoável” e só 4% dá uma avaliação positiva. Entre os votantes do Chega, 25% acham que a atuação foi “boa ou muito boa” e 41% considera que foi “razoável”.

Ficha Técnica:

Este inquérito foi realizado pelo CESOP–Universidade Católica Portuguesa para a RTP, Antena 1 e Público entre os dias 7 e 13 de julho de 2024. O universo alvo é composto pelos eleitores residentes em Portugal. Os inquiridos foram selecionados aleatoriamente a partir duma lista de números de telemóvel, também ela gerada de forma aleatória. Todas as entrevistas foram efetuadas por telefone (CATI). Os inquiridos foram informados do objetivo do estudo e demonstraram vontade de participar. Foram obtidos 957 inquéritos válidos, sendo 48% dos inquiridos mulheres. Distribuição geográfica: 30% da região Norte, 20% do Centro, 36% da A.M. de Lisboa, 5% do Alentejo, 4% do Algarve, 2% da Madeira e 3% dos Açores. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição da população por sexo, escalões etários, região e comportamento de voto com base nos dados do recenseamento eleitoral e das últimas eleições legislativas. A taxa de resposta foi de 21%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 957 inquiridos é de 3,2%, com um nível de confiança de 95%. Foram contactadas 3581 pessoas. De entre estas, 957 aceitaram participar na sondagem e responderam até ao fim do questionário (RTP)

Tribunal de Contas faz duras críticas ao processo de Revisão da Despesa

Fala numa década perdida nos três exercícios de revisão, para tentar gerar poupanças no Estado. O Tribunal diz que o resultado traduz-se numa série de medidas vagas com impactos incertos e desperdício de recursos.

Justiça é sector com pior avaliação em estudo do ISCTE

A justiça é o sector que recebeu a pior avaliação dos inquiridos no Relatório das Políticas Públicas de 2024 do Instituto Universitário de Lisboa, o ISCTE. As respostas do estudo de opinião responsabilizam em primeiro lugar os juízes e os procuradores do Ministério Público pelo estado da Justiça.

Da Operação Marquês à Influencer: Férias judiciais começam e estes são os casos que estão a marcar o ano

As férias judiciais de verão iniciam-se na terça-feira e prolongam-se até 31 de agosto, após um ano marcado pelos casos Influencer e da Madeira, por críticas ao Ministério Público e pela lentidão em julgar megaprocessos. O ano judicial que agora termina ficou também assinalado por greves prolongadas dos funcionários judiciais que, ao longo de meses a fio, ditaram o adiamento de muitas diligências e sessões de julgamento, tendo o problema ficado parcialmente resolvido com o recente acordo alcançado pela nova ministra da Justiça, Rita Alarcão Júdice, com o Sindicato dos Funcionários Judiciais sobre o suplemento de recuperação processual.
O ano ficou igualmente marcado pelos atrasos no arranque de julgamentos há muito aguardados como sejam o processo principal do caso BES/GES, que envolve o antigo banqueiro Ricardo Salgado, o processo Operação Marquês, que tem o ex-primeiro-ministro José Sócrates como principal arguido, e o processo Operação Lex por corrupção e outros crimes, que tem como arguidos o ex-juiz desembargador Rui Rangel e o antigo presidente da Relação Vaz das Neves, entre outros acusados.

Espanha: Todas las comunidades recuperarán este año el PIB prepandemia

 

Asturias y Extremadura serán las últimas dos economías autonómicas en volver a los niveles de 2019, según Funcas. Todas las comunidades recuperarán este año el PIB que tenían antes de la pandemia. Así lo estima Funcas, el centro de análisis de las cajas de ahorro, en su último informe de previsiones sobre las economías regionales. Según el estudio anterior, en 2023 había todavía siete territorios que se habían quedado por debajo de los niveles de 2019: Cataluña, Extremadura, Castilla y León, Cantabria, Asturias, Baleares y Canarias. Las últimas dos autonomías en volver a las cotas de 2019 serán Asturias y Extremadura, ha detallado el director de Coyuntura Económica del organismo, Raymond Torres, en la presentación del documento. “Ya hemos borrado, en términos de PIB, el impacto de la pandemia”, ha añadi... (El Pais, texto da jornalista Laura Delle Femmine)

Madeira: Ministério da Defesa concede licenças para venda de armas sem verificar registos criminais


O Ministério da Defesa tem vindo a atribuir licenças para o comércio e indústria de armas sem solicitar o certificado de registo criminal dos responsáveis das empresas envolvidas, em violação do artigo 6.º da Lei n.º 49/2009. Esta falha foi descoberta pela Inspeção-Geral de Defesa Nacional (IGDN) durante uma auditoria iniciada a pedido do atual ministro da Defesa, Nuno Melo.

De acordo com informações obtidas pelo Correio da Manhã, a IGDN identificou vários casos de licenças emitidas desde 2016 sem que a Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN) tenha solicitado o registo criminal dos responsáveis das empresas. Uma das empresas envolvidas é a Leitek Innovative Solutions, cujo proprietário, um ex-militar da Marinha condenado por corrupção, obteve uma licença em setembro de 2023.

A lei n.º 49/2009 estipula que indivíduos condenados por crimes de corrupção não possuem a idoneidade necessária para operar no comércio e indústria de bens militares. Este requisito, presente no artigo 8.º da referida lei, deveria ter impedido Clélio Ferreira Leite, dono da Leitek, de obter a licença.

Ex-BANIF: Oitante lucrou 31,5 milhões de euros em 2023 e vai dar dar 16 milhões de euros ao Fundo de Resolução

Em 2023 a Oitante, que ficou com os ativos que o Santander Totta não quis, obteve um resultado líquido de 31,5 milhões de euros. Deste lucro vai dar 16 milhões de euros ao Fundo de Resolução, que detém 100% do seu capital A Oitante, o veículo herdeiro do Banif, vai voltar a distribuir mais de metade do seu lucro anual ao Fundo de Resolução, entregando 16 milhões de euros por conta dos ganhos de 2023, segundo a proposta do conselho de administração, que será aprovada pelo acionista. Incluindo o montante de 2023, a Oitante, liderada por Miguel Barbosa, já distribuiu desde 2020 cerca de 95 milhões de euros, refere o comunicado. Para os lucros obtidos pela Oitante contribuiu sobretudo a venda de ativos e a redução da carteira de crédito, refere a sociedade que herdou os ativos do Banif com os quais o Santander Totta não quis ficar. Em 2023 os resultados da Oitante ascenderam a 31,5 milhões de euros, e mais de metade será para entregar ao Fundo de Resolução, do qual Luís Máximo dos Santos, vice-governador do Banco de Portugal, é presidente. Em 2023 o processo de alienação de ativos imobiliários gerou rendimentos de 34,7 milhões de euros, e a carteira de crédito registou uma diminuição de 17%, com impacto na diminuição da exposição bruta total da carteira de crédito de 28,5 milhões de euros, o que gerou a entrada de 12 milhões de euros para a sociedade (Expresso, texto da jornalista Isabel Vicente)

Parlamento Europeu elege vice-presidentes sem portugueses ou extrema-direita

Os eurodeputados elegeram hoje, na cidade francesa de Estrasburgo, 14 vice-presidentes para a primeira metade da nova legislatura do Parlamento Europeu, sem que qualquer português esteja na lista, nem qualquer eleito da extrema-direita. Devido à necessidade de uma maioria absoluta de 333 votos expressos, foram eleitos na primeira volta cinco socialistas (S&D), seguindo-se três elementos do Partido Popular Europeu (PPE), dois liberais (Renovar a Europa) e um eurodeputado dos Verdes. Na segunda e última volta, que implicou uma maioria absoluta de 305 votos, juntaram-se dois elementos do Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) e um eurodeputado da Esquerda Europeia. Os dois candidatos pelos Patriotas pela Europa - Fabrice Leggeri e Klara Dostalova - não conseguiram recolher apoios suficientes, tal como Ewa Zajaczkowska-Hernik da Europa das Nações Soberanas, afastando, assim, a extrema-direita dos lugares de vice-presidentes. Desta vez, nenhum eurodeputado português foi eleito para os cargos, depois de o socialista português Pedro Silva Pereira ter sido vice-presidente entre 2019-2024. A maltesa Roberta Metsola foi hoje reconduzida na presidência da assembleia europeia no arranque da 10.ª legislatura, que resultou das eleições de junho.

Venezuela. Governo e oposição acusam-se de preparar violência para presidenciais

Os dois candidatos favoritos às eleições presidenciais venezuelanas de 28 de julho, Nicolás Maduro e Edmundo González Urrutia, acusaram-se mutuamente de estar a preparar alegados atos de violência. A oposição tem denunciado que o regime está a aplicar medidas autoritárias contra as suas atividades e condena a detenção nos últimos dias de pelo menos 12 colaboradores, assim como o encerramento de estabelecimentos comerciais por onde passa o candidato Edmundo González Urrutia, substituto da vencedora das primárias opositoras de outubro de 2023, María Corina Machado, impedida judicialmente de se apresentar a eleições.

O Movimento Ao Socialismo (MAS), um dos partidos que apoiam Edmundo González Urrutia, alertou hoje para a alegada concretização de atos violentos do chavismo caso Maduro perca as eleições. Em declarações aos jornalistas, o secretário-geral do MAS, Felipe Mujica, condenou as recentes declarações do governador do estado de Táchira, Freddy Bernal, de que não há razões para acreditar que Maduro perderá as eleições e que se isso acontecesse, o novo governo teria que demitir-se devido às ações que tomariam os seguidores do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, no governo). "A apenas duas semanas das eleições presidenciais, condenamos as palavras do governador tachirense porque continua a insistir no caminho da violência", disse Mujica.

Venezuela: Detenções políticas relacionadas com eleições presidenciais aumentam

A ONG Foro Penal (FP) denunciou hoje que estão a aumentar as detenções políticas relacionadas com as eleições presidenciais na Venezuela, país onde 301 pessoas estão detidas por motivos políticos, 124 delas no âmbito da campanha eleitoral da oposição. "Houve um aumento significativo do número de presos políticos. Hoje há 301 presos políticos na Venezuela", disse o diretor do FP. Alfredo Romero falava numa conferência de imprensa em Caracas de balanço do número e da situação dos presos políticos na Venezuela. Alfredo Romero precisou que dos presos ao longo de 2024 "102 pessoas estão relacionadas com o movimento e a campanha da oposição liderada pela María Corina Machado e pelo candidato de Mundo González".

Também que desde 4 de julho foram detidas 77 pessoas por motivos políticos, das quais "apenas 69 foram libertadas". "Infelizmente, a repressão política sistemática continua. O Fórum Penal está preocupado com este aumento da repressão (...) e pedimos ou exigimos que isso não aconteça", frisou. Falando sobre os casos e familiares dos presos políticos explicou que vários deles encontram-se no cárcere de El Rodeo I, que foi remodelado recentemente e é conhecido como "prisão do capuz, porque nos põem um capaz para entrar", sublinhando que ele próprio já passou por essa "experiência".

Venezuela: Maduro pede a polícias que "derrotem" alegadas conspirações da oposição

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que se recandidata ao cargo nas presidenciais de 28 de julho, pediu num juramento da polícia do país (PNB) que os agentes "derrotem" alegadas conspirações do setor maioritário da oposição. Maduro acusou esses setores de promoverem planos de sabotagem e de prepararem um golpe de Estado. "Juram cumprir e fazer cumprir a Constituição, as leis da República, com a responsabilidade suprema e inerente, como funcionários ao serviço do povo, de defender, proteger, servir o nosso povo, e derrotar as conspirações do império do mal e a oligarquia dos apelidos?", disse o chefe de Estado durante a cerimónia.

O Governo venezuelano refere-se habitualmente aos principais dirigentes da principal aliança opositora -- a Plataforma unitária democrática (PUD) -- como "os apelidos", que Maduro voltou hoje a acusar de planos para "provocar uma tragédia" e "uma hecatombe" no país devido ao seu "desespero" por estarem "perdidos" nas próximas eleições. No entanto, indica a agência noticiosa Efe, as sondagens tradicionais fornecem a vitória por larga margem à coligação anti-chavista. As acusações do poder à aliança da oposição, que apoia a candidatura do embaixador Edmundo González Urrutia, aumentam à medida que se aproximam as eleições presidenciais, nas quais Maduro procura um terceiro mandato de seis anos. A oposição tem denunciado diversos "obstáculos", incluindo bloqueio de estradas por polícias e pela Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) com o objetivo, assegura do PUD, de impedir as suas iniciativas públicas (Lusa)


Mais de 100 idosos desaparecidos nunca foram localizados

A PSP lançou um programa, em parceria com a Meo, para agilizar o trabalho de localização de pessoas. Só na área da PSP houve 1446 alertas para casos de desaparecidos que envolvem pessoas com 65 anos ou mais. GNR não tem números compilados. Entre 2018 e abril deste ano, desapareceram em Portugal, só na área de intervenção da PSP, 1446 pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, o que dá uma média de 19 por mês. Destes idosos desaparecidos, 115 nunca mais foram encontrados. A PSP salvaguarda que há casos em que o aparecimento não lhe é comunicado. Já a GNR, que territorialmente cobre uma zona mais vasta, disse ao JN não ter esses números sistematizados (Jornal de Notícias, texto da jornalista Salomé Filipe)

segunda-feira, julho 15, 2024

Falando de aviões

 fonte: Visão

Não é grave? Alguém acredita que o líder da JSD não sabia disto?

 fonte: Correio da Manhã

Turismo acelera em Maio e receitas crescem 15,5%

Turismo registou 7,7 milhões de dormidas em maio. Os valores de rendimento médio por quarto ocupado tocaram novos máximos históricos na Grande Lisboa e no Norte. Depois de ter abrando em abril, o turismo português voltou a acelerar em maio: acolheu 3,1 milhões de hóspedes e 7,7 milhões de dormidas, o que representa um crescimento de 9,4% e 7,5%, respetivamente, face ao período homólogo, de acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Nesse mês, as receitas totais cresceram 15,5%.

“Em maio de 2024, o setor do alojamento turístico registou 3,1 milhões de hóspedes (+9,4%) e 7,7 milhões de dormidas (+7,5%), gerando 660,8 milhões de euros de proveitos totais (+15,5%) e 505,9 milhões de euros de proveitos de aposento (+15,5%)”, adianta o gabinete de estatísticas. No entanto, face a abril, o número de hóspedes e de dormidas recuou 3,7% e 3,4%, respetivamente. A impulsionar a atividade turística em Portugal, estiveram, sobretudo, os turistas estrangeiros. Das 7,7 milhões de dormidas registadas nesse mês, 5,2 milhões foram de turistas estrangeiros, o que representa um aumento de 7,5% face ao período homólogo, enquanto os turistas nacionais contribuíram com 1,9 milhões de dormidas (+7,6% face a maio de 2023).

Sondagem: Escolha de Costa para Conselho Europeu é positiva para Portugal

António Costa foi o escolhido para presidir ao Conselho Europeu e, de acordo com os portugueses, isso é positivo para Portugal (68%). O papel de Luís Montenegro, que se empenhou nessa eleição, também é motivo de elogio (70%), de acordo com a sondagem da Aximage para o DN, JN e TSF.  O ex-primeiro-ministro socialista já era apontado como o favorito há vários meses. E foi mesmo ele o escolhido para suceder ao belga Charles Michel, a partir de 1 de dezembro deste ano, na liderança do órgão em que se reúnem os chefes de Estado e de Governo dos 27 países da União Europeia e onde são tomadas as decisões mais importantes para o futuro da Europa. Mais de dois terços dos inquiridos (68%) consideram a escolha positiva, com destaque para quem vota no PS (93%), mas também para os eleitores da AD (76%).

Quem mais torce o nariz à escolha são os que votam no Chega (46%) e na IL (44%). Recorde-se que António Costa suscitou algumas resistências entre governantes que fazem parte da família do Partido Popular Europeu (PPE), que argumentaram com o facto de o socialista estar envolvido na Operação Influencer. E também terá sido fundamental a intervenção de Luís Montenegro (o PSD faz parte do PPE). Os portugueses dão-lhe razão: 70% acham que o atual primeiro-ministro fez bem em defender a candidatura de Costa, com destaque para os eleitores do Livre (93%), do PS (90%) e da AD (84%).

Sondagem: Ventura está no fundo, Montenegro no topo e Pedro Nuno no arame

André Ventura (Chega) continua a ser o líder partidário mais castigado pelos portugueses, registando 62% de avaliações negativas, com destaque para os mais velhos (77% dão-lhe nota negativa). No polo oposto continua Luís Montenegro (PSD), com 58% de avaliações positivas (66% entre os que têm 65 ou mais anos). De acordo com a sondagem da Aximage para o JN, DN e TSF, só há mais três políticos no verde: Rui Rocha (IL), Rui Tavares (Livre) e Pedro Nuno Santos (PS).

Ventura pode ter recuperado a base eleitoral do Chega (depois da queda nas europeias, chegaria agora 17,5%), mas continua no vermelho quando se trata de avaliar as suas qualidades: acumula 62% de avaliações negativas e apenas 31% de notas positivas, o que resulta num saldo negativo (diferença entre avaliações positivas e negativas) de 31 pontos, o pior registo entre os nove líderes partidários. O líder da Direita radical “chumba” em todos os segmentos sociodemográficos da amostra. Só recebe conforto positivo dos que votam no Chega.

O salto de Rui Rocha

Bastante próximo do fundo da tabela continua o secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, com um saldo negativo de 26 pontos. Mas há mais três líderes partidários no vermelho: Inês Sousa Real, do PAN (saldo negativo de nove pontos), Mariana Mortágua, do BE (sete pontos) e Nuno Melo, do CDS, que, apesar do saldo negativo de cinco pontos, teve uma evolução positiva.

Sondagem: PS à frente num país ancorado à Direita. Chega já recuperou do trauma europeu

Os socialistas (29,5%) ficariam à frente da Aliança Democrática (27,6%), se o país fosse de novo para eleições, ainda que os portugueses tenham mais confiança em Luís Montenegro (37%) do que em Pedro Nuno Santos (28%) quando está em causa o cargo de primeiro-ministro. A sondagem da Aximage para o JN, DN e TSF aponta também para a possibilidade de o Chega ter ultrapassado o “trauma” das europeias, voltando ao patamar das últimas legislativas (17,5%). Os liberais ficariam a meio caminho relativamente aos dois últimos atos eleitorais (7,1%). Fecham a tabela o BE (4,6%), o Livre (4,1%), a CDU (3,5%) e o PAN (2,5%). É um país ancorado à Direita aquele que o barómetro reflete neste início de verão (o trabalho de campo decorreu entre 3 e 8 de julho). Os quatro partidos desse lado do espectro político (PSD, CDS, Chega e IL) somam mais oito pontos do que os cinco mais à Esquerda (PS, BE, Livre, CDU e PAN). Mas o retrato do país político não é necessariamente igual nas suas diferentes partes. Em nenhum caso é mais evidente essa diferença do que no género.

Mulheres à Esquerda

Se dependesse apenas das mulheres, e num cenário de eleições legislativas, seria a Esquerda a conseguir uma maioria no Parlamento (somaria 54 pontos percentuais). Essa implantação no feminino é particularmente acentuada no PS, no BE e no PAN. Ao contrário, se fossem apenas os homens a votar, a vitória à Direita seria esmagadora (somaria 61 pontos), com destaque para a testosterona do Chega (eles mais do que duplicam o voto delas) e, numa proporção bem menos acentuada, da AD.

Detetam-se diferenças igualmente significativas quando o ângulo de análise é a idade dos eleitores. Nos dois primeiros escalões etários da amostra (18/34 e 35/49 anos), a vantagem da Direita é de 19 pontos percentuais. Entre os que têm 50 a 64 anos, essa vantagem cai para apenas três pontos. Mas, entre os portugueses mais velhos (65 ou mais anos), o cenário inverte-se, com a Esquerda a somar mais cinco pontos do que a Direita.

Minuto a minuto: especialistas explica como seria o holocausto num ataque nuclear aos EUA

Centenas de mísseis a voar nos céus a partir de silos e submarinos nucleares; cidades americanas em chamas e milhões de pessoas vaporizadas instantaneamente; outros milhões morrerão em breve em agonia devido a queimaduras e envenenamento por radiação. Este cenário apocalítico é descrito no mais recente livro “Nuclear War: A Scenario”, da jornalista de investigação indicada ao Pulitzer, Annie Jacobsen. Para a pesquisa da obra, foram realizadas diversas entrevistas exclusivas a oficiais militares de alto escalão, figuras políticas e especialistas, incluindo projetistas de armas nucleares.

Segundo aponta o tabloide britânico ‘Daily Mail’, demora cerca de 30 minutos para um ICBM (míssil balístico intercontinental) viajar de um lado do mundo – digamos Pequim, Moscovo ou Coreia do Norte – para o outro. Os Estados Unidos, sob a autoridade exclusiva de uma pessoa, o presidente, lançaria uma contraofensiva – assustadoramente, seriam necessários apenas 72 minutos para eliminar da face da Terra 5 mil milhões de pessoas se o pior acontecesse. De acordo com Jacobsen, “um ataque nuclear ao Pentágono é apenas o começo de um cenário cuja finalidade será o fim da civilização tal como a conhecemos”. “Esta é a realidade do mundo em que todos vivemos. O cenário de guerra nuclear proposto neste livro poderá acontecer amanhã. Ou até hoje…”

“Além do flash inicial de luz termonuclear, que é de 180 milhões de graus, que incendeia tudo num raio de 14 quilómetros; além do efeito devastador do vento e de todos os edifícios a cair; mais incêndios em cima da radiação, envenenando pessoas até à morte em minutos e horas e dias e semanas, se por acaso sobrevivessem; além de tudo isso, cada um desses incêndios cria um megaincêndio de 160 quilómetros quadrados ou mais e assim por diante”, refere a autora. A conclusão: se o mundo entrasse numa guerra nuclear, iria ser desejável “morrer instantaneamente” uma vez que deixará de “haver mais lei e ordem”.

Classificação dos salários médios europeus: Portugal surge em destaque… se se olhar a partir de baixo

A disparidade na Europa no que diz respeito a ganhos líquidos anuais é evidente, o que tem um impacto significativo nas decisões de contratação e emprego. Essas diferenças, explica a ‘Euronews’, podem resultar de regulamentações, leis laborais, setores industriais e desenvolvimento económico específicos de cada país. Os países do Norte e da Europa Ocidental registam os rendimentos líquidos médios mais elevados, ao passo que os países da Europa Oriental e do Sul apresentam valores muito inferiores.

Como se comparam os rendimentos médios na Europa?

O rendimento líquido médio anual é calculado subtraindo os impostos sobre o rendimento e as contribuições para a Segurança Social do rendimento anual bruto, adicionando depois os abonos de família. As diferentes situações familiares, como o facto de ser solteiro ou casado e o número de filhos a cargo, têm impacto no rendimento líquido.

Falências fazem triplicar os impostos incobráveis

Dívidas que o Fisco não recuperou triplicaram desde 2016 e a maioria é de empresas que fecharam até 2014. Tribunal de Contas preocupado com impacto nas contas públicas. O dinheiro de impostos que ficou por pagar ao Estado pelas empresas que faliram no tempo da troika (2011-2014) está a motivar um aumento da dívida que a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) não consegue cobrar. O passivo fiscal daquelas empresas só está a ser declarado incobrável agora. Por isso, o montante perdido em impostos triplicou desde 2016 e nunca foi tão alto (Jornal de Notícias, texto do jornalista Delfim Machado)