domingo, agosto 02, 2020

Nota: um Conselho Consultivo que tem que ser diferente


É voz corrente - e desde há muitos anos que me avisaram disso - que quando não termos nada de útil para apresentar fazemos conferências para ganharmos tempo e mediatismo na comunicação social. Espero que alguma instituição, um dia, me confirme que os que assim pensavam, e pensam, estavam e estão enganados.
Desejo toda a sorte do mundo ao Conselho Consultivo para a Economia, criado no âmbito da Secretaria Regional da Economia e de Rui Barreto.
Muito sinceramente eu acho que mais do que as conferências realizadas na ALRAM o que os madeirenses precisam é de respostas, não de uma aparente perda de tempo habitual na discussão de assuntos urgentes, muitas vezes perdendo um tempo infindável na discussão do sexo dos anjos, sobretudo quando a política ultrapassa a linha vermelha que confunde tudo e que condiciona todo o debate e inviabiliza consensos.
E mais do que as conferências, muitos sinceramente acho que este Conselho devia assumir, como urgente, a realização de reuniões sectoriais com representantes de todos os sectores penalizados pela pandemia, elaborando para cada caso um memorando do qual constem essencialmente três itens fundamentais:
- a dimensão do impacto, em termos de facturação e em termos sociais sociais, provocado pela pandemia nas empresas regionais;
- quais foram os níveis de facturação desses empresas regionais nos meses da pandemia, quando as restrições foram mais apertadas ao abrigo do confinamento;
- um retrato total do recurso ao lay-off, e a indicação de quantos trabalhadores continuam nesta data nessa situação;
- quantos trabalhadores foram despedidos na RAM pelas empresas como consequência (e durante) da pandemia;
- quais são as principais reclamações e propostas das empresas, nos sectores mais penalizados pela pandemia, e quais as mais prioritárias numa lógica de efectiva retoma da actividade, já que se sabe que, devido às especificidades da nossa economia regional - e à sua dependência forte (ou excessiva?) do turismo e da construção - provavelmente essa retoma não passará, no caso de muitas empresas e de muitos sectores, de uma enorme ilusão, pois sem turismo nada será conseguido.
Basicamente nós não sabemos qual o impacto real da pandemia no tecido empresarial regional, mormente nas micro e pequenas empresas por um lado, e nas empresas ditas maiores por outro, com destaque para o turismo. E quantas empresas, incluindo hotéis, continuam encerradas, muitas delas nunca retomaram a actividade depois de Março por falta de turistas.
Se para cada sector afectado pela pandemia na RAM essa inventariação for feita, de forma séria e sem manipulação, incluindo para muitas empresas que já retomaram a sua actividade mas que o fazem a conta-gotas, muitas delas com reduções drásticas que coloca em causa a sua sobrevivência, então sim, teremos um Conselho Consultivo para a Economia realmente a marcar uma posição de indiscutível utilidade aos olhos da opinião pública.
Aliás, dificilmente se pode acreditar na credibilidade de propostas sem que seja previamente feita uma inventariação da realidade, do choque social e económico causado na estrutura empresarial regional pelo covid19. Ninguém vai ao médico procurar uma cura sem identificar a doença de que padece!
Mas, repito, julgo que o CCE nunca se deve perder em conferências de efeito quase nulo, porque quando se junta muita gente numa sala, muitas coisas ficam por ser ditas porque há pessoas que querem falar e não se sentem suficientemente à vontade para isso.
Repito, desejo os maiores sucessos ao Conselho Consultivo para a Economia, mas desejo sobretudo que seja eficaz, que não caia no risco da banalização e da inutilidade e que, ao invés disso, seja diferente e que mostre a sua utilidade e a sua inovação, apontando caminhos sustentados e soluções e identificando "sem espinhas" a realidade e as prioridades que ela suscita.
Nós vamos precisar, hoje mais do que nunca, de pessoas com imaginação, com capacidade de análise, construtores de consensos, com capacidade de antecipação até de acontecimentos futuros no quadro da economia, vamos precisar, hoje mais do que nunca, de competências, e não de mais politiquices (LFM).

Espanha: Hacienda ingresa 13.000 millones a las comunidades autónomas por el primer tramo del Fondo COVID y la liquidación del sistema de financiación de 2018

El Ministerio de Hacienda ha ingresado en las cuentas de las comunidades autónomas 13.073 millones de euros. En concreto, se han abonado 6.000 millones correspondientes al primer tramo del Fondo COVID-19, dotado con un total de 16.000 millones para financiar el impacto de la pandemia y compensar la reducción de los ingresos autonómicos por la menor actividad económica. Además, se ha ordenado el pago de otros 7.073 millones correspondientes a la liquidación del sistema de financiación autonómico del ejercicio 2018. Así, las comunidades autónomas (CCAA) han recibido hoy un total de 13.073 millones de euros, lo que muestra el compromiso del Gobierno con la financiación de las administraciones territoriales para garantizar que cuentan con los recursos necesarios para prestar servicios públicos de calidad a los ciudadanos durante la actual emergencia sanitaria. Con respecto a la transferencia de 6.000 millones del Fondo COVID-19, se trata del primer tramo de dicho fondo no reembolsable que tiene en cuenta el impacto del virus en las comunidades. En concreto, en esta primera distribución computan los ingresos UCI (30%); los pacientes hospitalizados (25%); las PCR totales realizadas (10%), así como la población protegida equivalente (35%). Las variables sanitarias son las registradas hasta el 30 de abril.
Por otra parte, las comunidades han recibido también el pago principal de la liquidación del sistema de financiación de 2018, que suma 10.730 millones de euros. Ante la crisis derivada de la pandemia, el departamento que dirige María Jesús Montero permitió que las comunidades autónomas pudieran solicitar el anticipo del 50% de este importe. Una medida que permitió a las comunidades ingresar 3.657 millones en abril. Y, en el día de hoy, se ha efectuado el pago de los 7.073 millones restantes.
Las cantidades abonadas hoy a las CCAA son las siguientes:

Espanha: Sánchez asume la tutela del fondo europeo e implica a las autonomías

Antes del coronavirus hubo seis conferencias de presidentes autonómicos en cuatro décadas; desde que estalló la epidemia ha habido 15. El presidente del Gobierno prometió este viernes en esa decimoquinta cumbre autonómica repartir la gestión de los fondos europeos entre La Moncloa y las comunidades, asegurándose la tutela de las ayudas en una comisión interministerial que dirigirá él mismo. La cita, en La Rioja, se prolongó durante cuatro horas, pero a su término los presidentes autonómicos del PP, así como Iñigo Urkullu —que finalmente sí acudió—, repitieron un mensaje similar: faltó concreción. La lluvia europea de millones (140.000 millones, alrededor del 11,2% del PIB de 2019) no ha mitigado los recelos entre las autonomías y el Gobierno central sobre la gestión de la epidemia y la forma de afrontar la reconstrucción económica. Tras realizar en los últimos meses múltiples llamamientos a la unidad, el Rey acudió a primera hora al monasterio de Yuso, en San Millán de la Cogolla, para bendecir la vigésimo primera conferencia de presidentes, la número 15 desde que estalló la crisis del coronavirus. Algunos dirigentes acudían a regañadientes —preferían un encuentro telemático—, y la llegada por sorpresa del lehendakari Iñigo Urkullu con un pacto propio con el Gobierno central bajo el brazo, elevó varios grados el nivel de suspicacias. El mensaje que se extendió entre las comunidades gobernadas por la oposición es que los rebeldes —el presidente vasco había dicho que no iría— eran premiados con un trato de favor.

Espanha: Sánchez reparte entre La Moncloa y las autonomías la gestión de los fondos europeos

El presidente del Gobierno, Pedro Sánchez, ha asegurado este viernes, al inicio de la Conferencia de Presidentes autonómicos, que la emergencia sanitaria por el coronavirus se ha convertido en una “emergencia económica y social” y que urge corregir los desequilibrios por territorios para hacer frente a los estragos del parón provocado por “la maldita epidemia”. El líder del Ejecutivo se ha referido a la “caída inédita” del PIB, que se hundió un 18,5% entre abril y junio. Durante el último año, la actividad se contrajo un 22,1%, una caída solo comparable a la experimentada durante la Guerra Civil. “Nos esperan meses muy duros, pero vamos a salir de esta”, dijo.
Sánchez ha presentado la Conferencia de Presidentes, que se celebra en el monasterio de Yuso, en San Millán de la Cogolla (La Rioja), como un “buen punto de apoyo para la reactivación” del país. El presidente admitió que ya antes de la epidemia existía desigualdad en España —“no todos los territorios tenían las mismas oportunidades”— y planteó la conferencia como una forma de empezar a corregirlo. “La recuperación tiene que ser inclusiva, no dejar a nadie atrás. Y me refiero no solo a personas, sino a territorios. No puede haber comunidades de primera y de segunda”, declaró.

Espanha: Madrid aprova medidas para que as Comunidades Autónomas combatam o COVID-19

El Boletín Oficial del Estado (BOE) ha publicado la orden ministerial de Hacienda que determina el reparto del primer tramo de 6.000 millones del Fondo COVID-19, dotado con un total de 16.000 millones de euros para que las comunidades autónomas financien el impacto de la pandemia y se compense la reducción de los ingresos autonómicos por la menor actividad económica. El Fondo COVID está formado por cuatro tramos que tienen en cuenta las necesidades de financiación en materia de sanidad, educación y de merma de ingresos. El tramo aprobado hoy es el primero de los dos que se distribuirán entre los territorios siguiendo criterios representativos del gasto sanitario y que suman más de la mitad del fondo con 9.000 millones. El primer tramo de 6.000 millones repartido hoy tiene en cuenta el impacto del virus en las comunidades, de manera que en la distribución computan los ingresos UCI (30%); los pacientes hospitalizados (25%); las PCR totales realizadas (10%), así como la población protegida equivalente (35%). Las variables sanitarias son las registradas hasta el 30 de abril. El reparto del primer tramo queda como sigue:

Expresso: A ilha de Miguel é um Jardim

Funchal, 2016. Miguel Albuquerque está há quase um ano na presidência do governo regional e é visível a mudança no estilo. Agora há debates mensais no parlamento regional e, na Quinta Vigia, arranjaram-se os jardins e trocaram-se os animais de estimação. Alberto João Jardim levou o gato, as araras foram recambiadas para o Jardim Botânico e à porta está “Sissi”, uma golden retriever com nome de imperatriz a condizer com as ideias monárquicas do novo ocupante.
É neste ambiente renovado que Albuquerque recebe o presidente da câmara de Santa Cruz, eleito pelo Juntos Pelo Povo (JPP), e Filipe Sousa entra no gabinete com esperança, é desta que se resolve o contencioso dos terrenos do parque industrial da Cancela, que o município reclama como seus. O encontro dura mais ou menos meia hora, a meia hora mais estranha de que se lembra o autarca. “Entrámos no gabinete e eu pensei que se ia discutir a questão dos terrenos, mas o presidente do governo regional começa a falar de umas bonecas que encontrou numas viagens a Itália, fala do realismo das bonecas, da qualidade e eu fico sem perceber se faz coleção, se aquilo é para fazer conversa, fico confuso, mas a história das bonecas arrasta-se por uns 20 minutos até que olha para mim e diz-me: ‘Sobre aquele assunto dos terrenos, o advogado do governo depois liga. A reunião acabou assim.’”

Nota: sejamos sérios

Vamos ser sérios. Dificilmente haverá 60 mil turistas em Agosto ou 80 mil em Setembro na Madeira como já li por aí, várias vezes e em várias fontes. Se se confirmar será uma das maiores surpresas no movimento turístico europeu, dada a tendência decrescente que se verifica nas principais regiões turísticas europeias. 
De facto quando a manipulação da informação incorre deliberadamente na mentira e perde a noção do ridículo, quando a mentira imposta por certas "estruturas" que navegam nas redes sociais a impor "verdades" que não passam de autênticos embustes, então estamos mal.
Haverá certamente mais frequências aéreas do que até hoje com taxas de ocupação que apesar de estarem a ser deliberadamente ocultadas, rondarão os 50% da oferta disponibilizada pelas companhias que operam para a RAM
Eu gosto muito de fundamentar o que escrevo indo procurar nas fontes oficiais os dados estatísticos que sustentam o que escrevo.
Sobre a entradas de "hóspedes" nos meses de Agosto e de Setembro, vejamos o que aconteceu nesse período entre 2015 e 2019, durante a tal normalidade que passou à história devido aos efeitos desta pandemia:

Regresso de José Sócrates agita PS

Ex-líder reentrou em cena para ajudar Joaquim Barreto, que garante que nada teve a ver com um regresso à política ativa. José Sócrates saiu do PS há mais de dois anos, mas continua a influenciar a vida interna do partido. O ex-líder socialista envolveu-se nas eleições para a distrital de Braga e terá influenciado a reeleição de Joaquim Barreto. «Quero aqui agradecer ao engenheiro José Sócrates, pessoa que nunca abandonei e com quem mantive sempre contacto, pelo apoio que, em Barcelos, nos deu nesta campanha», disse Barreto, após mais uma vitória para a liderança da distrital.

Líder da Lone Star fez fortuna com esquema em causa no Novo Banco

Em Março de 2017, o SOL fez manchete com as suspeitas que recaiam sobre o fundo Lone Star e o seu líder, John Grayken, em vários países, incluindo EUA, Alemanha e Coreia do Sul. E dadas as mais recentes notícias sobre os ativos do Novo Banco, vale a pena reproduzir o texto publicado na última página dessa edição do SOL. O fundo norte-americano Lone Star, que está a negociar em exclusivo com o governo português a compra do Novo Banco, está a ser investigado nos Estados Unidos, na Alemanha e na Coreia do Sul. Em causa está a compra de ativos por parte do fundo liderado por John Grayken, revela a imprensa internacional. A Lone Star enfrenta a justiça, em Haia, depois de ter comprado o banco Korea Exchange Bank (KEB). Parte da investigação está relacionada com o acordo que o fundo norte-americano fez, em agosto de 2003, para comprar uma participação de 50,5% naquela instituição financeira. Na base deste processo poderá ter havido alterações nos regulamentos de forma a ajudar o fundo a adquirir o banco sul coreano, que acabou por ser vendido mais tarde com lucros elevados.

Mar português abre guerra de lóbis no PS

Revisão da lei sobre a gestão do Espaço Marítimo Nacional dá mais poder às regiões autónomas, leia-se, Açores. Ana Paula Vitorino, ex-ministra do Mar, lidera deputados contra esta alteração. Dúvidas constitucionais que também revelam duas visões no PS. No final, ganhou o PS/Açores e só Marcelo pode desempatar. A polémica passou despercebida e o tema nem foi discutido na última reunião da bancada do PS, mas doze deputados votaram contra a revisão da lei que estabelece as bases da política de ordenamento e de gestão do Espaço Marítimo Nacional. Um grupo de deputados socialistas (que já são 17), liderado por Ana Paula Vitorino, tem dúvidas sobre a sua constitucionalidade e aguardam, agora, uma palavra de Marcelo Rebelo de Sousa para travar a lei. «Foi uma vitória do PS-Açores e de Vasco Cordeiro, perdão, de Carlos César», admite ao SOL uma fonte parlamentar socialista.
E o que está em causa? A revisão da lei (há muito exigida pelo Governo Regional dos Açores) que prevê, por exemplo, uma «gestão partilhada, com as regiões autónomas, do espaço marítimo sob soberania ou jurisdição nacional adjacente aos arquipélagos dos Açores e Madeira, exercida entre os órgãos das Administrações Central e Regional [...], salvo quando esteja em causa a integridade e soberania do Estado». Na prática, reforça o papel das regiões autónomas, ainda que haja pareceres vinculativos da administração central ou codecisões sobre a gestão marítima.

Passageiros da União Europeia, do Espaço Shengen e de outros sem risco não têm que fazer testes


Reservas no Algarve aumentam...


Covid-19: Nem todos os contactos muito próximos com pessoas infectadas estão a ser testados


Venezuela: repatriados 264 portugueses retidos devido à pandemia


Pandemia na UE


Covid-19 OMS alerta que efeitos da pandemia irão fazer-se sentir durante mais tempo


Nota: o essencial é a racionalidade, a responsabilização social e a coerência

Eu não tenho receio dos que emitem a sua opinião, em defesa da saúde pública, mesmo "achando" que podem dizer o que dizem. A liberdade não impede ninguém de "achar" nada, quer os que "acham" quer os que são "doutos". Porque sobre a pandemia do covid19 ninguém sabe nada de nada, nem os que julgam que sabem tudo e que dizem que não "acham" nada. Tenho medo sim, é dos que dizem e afirmam, sem "achar" nada, porque se reclamam donos da sabedoria absoluta. Nomeadamente quando interessa, inclusivamente quando se comportam como juízes em causa própria! O problema é que perante a realidade desta pandemia percebemos logo que poucos são, pouquíssimos, os que sabem mesmo o que se passou e o que se passa com esta crise sanitária à escala global ou até o que nos espera no futuro. O que está em causa - e cada vez mais se colocam essas incertezas, num tempo em que até a manipulação invadiu o tema das vacinas e os seus efeitos e a própria OMS avisou ontem que a pandemia está para durar muito tempo ainda... - é a defesa da saúde pública. E para que ela seja possível e realizável, tudo o que prejudicar esse desiderato deve ser proibido, impedido, custe o que custar doa a quem doer. Nestes tempos de pandemia, não há estatutos especiais de ninguém, pessoa, instituição ou evento público, caso colidam com os superiores interesses da obrigação de defesa da saúde pública.
Lamentavelmente a ideia que infelizmente ficamos, é a de que vivemos um tempo onde, estranhamente, ainda há excepções, e que é mais fácil penalizar uns em detrimento de outros, porque há quem use a faculdade - pelos vistos de forma inapropriada e abusiva - de impor regras por decreto para as quais nem competência terão, apesar dos objectivos serem incontestados. O caminho é que tem que ser outro, porque 40 anos depois dos primeiros passos a Autonomia regional continua a confrontar-se com o bluff em muitas matérias, como será o caso das máscaras. Como é que se pode impor, por exemplo, o uso de obrigatório de máscara (só durante o mês de Agosto?), quando se desvaloriza a decisão e se passa para a comunicação social a ideia de que não há penalizações como acontece em muitas comunidades espanholas e  outros países? Se a realidade é essa, então para que serve a decisão de uma alegada obrigatoriedade que não...é obrigatória e cujo incumprimento nem multado será? Outro exemplo da incoerência: porque se recusaram ouvir e acolher os protestos e comentários indignados e críticos das pessoas - eu sei as "redes sociais" só servem para certas coisas e manigâncias e em certos momentos, eu sei isso.... - que andaram meses a dar conta que no barco que demora cerca de 2 horas e meia a ligar a Madeira e o Porto Santo, com bares abertos a facturar e com  gente a circular no navio, tal media (máscara) não tenha sido imposta nessas circunstâncias, quando é sabido que os passageiros  circulam no navio conversando e que se concentram junto aos bares (nos aviões o uso de máscara é obrigatório e as refeições e as bebidas foram suprimidas em quase todas as companhias)?
Haja coerência, "achem" ou não que as pessoas têm razão para expressarem a sua enorme dificuldade em entender certas coisas, sem nunca questionarem - salvo os casos de irresponsabilidade social que têm muito a ver ou com caganças pessoais ou com falta de educação cívica - a imperiosa obrigação de salvaguarda da saúde pública. Mas como diz o ditado, "cada um sabe de si e a mais não é obrigado", até o dia em que sentirem calafrios e ficarem de diarreia com medo com o que lhe possa acontecer. A si ou aos seus. Nesse dia, passam a ser os médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde a ter que aturar esses espertalhões (e espertalhonas) e às suas frustrações mentais (LFM)

Nota: Canárias resiste à máscara mas teve 162 mortos e continua com 142 activos

Segundo a RTVE, Canárias é uma das últimas comunidades autónomas a resistir à adopção de medidas de imposição do uso generalizado da máscara - nas demais comunidades, de uma maneira geral, há utilizações diferenciadas e em todas elas penalizações geralmente superiores a 100 euros - posição que tem a ver apenas com a politiquice de uma região insular em estado social caótico - mais de 110 mil desempregados causados pela pandemia e desemprego efectivo que pode roçar os 40%! - e económico, dada a sua dependência do turismo mergulhado numa profunda crise devido à faltas de turistas e de operações aéreas com taxas de ocupação aceitáveis.
Aliás, não foi por acaso que o Presidente do Governo das Canárias afirmou esta semana que "sem turismo Canárias será devorada pela fome". Quando se chega a um ponto destes é natural que alguma racionalidade comece a faltar desde logo no poder político.
Porque em termos sanitários Canárias estão longe de constituirem uma região insular e autónoma exemplar. Vamos aos dados registados até hoje, 2 de Agosto:
- Total de casos positivos, 2.646 pessoas (122,88 casos por 100 mil, pessoas)
- 182.336 testes PCR realizados
- Dos casos positivos registados até esta dasta, 1.575 foram em Tenerife, 654 em Gran Canária, 144 em Furteventura, 107 em La Gomera, 94 em Lanzarote, 8 em La Gomera e 3 em Hierro
- Foram registados 162 mortos e há 2.342 casos de doentes recuperados
- 142 doentes activos nesta data (LFM)

sábado, agosto 01, 2020

Covid-19 doenças cardíacas, renais e imunológicas aumentam riscos


Covid-19: OMS adverte para o comportamento negligente dos mais jovens


Açores com milhões em prejuízos

fonte: Correeio dos Açores

Açores: apesar de tudo persiste a dúvida

fonte: Correio dos Açores

Moratórias: a importância da banca

fonte: Jornal de Notícias

Açores, a mesma polémica com os tribunais

fonte: Correio dos Açores

Açores: saúde versus lei

fonte: Correio dos Açores

Turismo prejudicado

fonte: Público

Sócrates de volta!

fonte: Público

Açores: problemas dos pescadores madeirenses

fonte: Correio dos Açores

Negócios estranhos

fonte: Correio das Manhã

Natalidade

fonte: Correio da Manhã

Situação na Madeira (29, 30 e 31 de Julho de 2020)



fonte: ISAUDE

Quatro em cada 10 deputados foram eleitos pelo menos três vezes


Conclusão é de um estudo de pós-doutoramento sobre o sistema político português, que refere que quase 1.500 deputados permaneceram no lugar durante 12 anos. Quatro em cada 10 deputados à Assembleia da República (AR) foram eleitos, pelo menos, para três mandatos entre 1976 e 2019, concluiu uma tese de pós-doutoramento realizada na Universidade da Beira Interior (UBI). Jorge Fraqueiro, autor do estudo de pós-doutoramento "O Sistema Político Português - Renovação ou Estagnação do Deputados à Assembleia da República (1976-2019)", concluiu ainda que, "dos cerca de 3.600 lugares ocupados ao longo dos 44 anos, quase 1.500 permaneceram no lugar durante 12 anos". "Apesar da considerável inclusão de novos nomes nas últimas duas eleições legislativas (2015 e 2019), os níveis de estagnação em Portugal, no Parlamento, continuam, em termos médios gerais, bastante elevados", sublinha o investigador e cientista político. Jorge Fraqueiro, ex-jornalista, tinha já revelado dados sobre a estagnação dos atores políticos em Portugal, na sua tese de doutoramento defendida em 2014, tendo agora procedido à sua atualização no pós-doutoramento.

El uso de la mascarilla en España: en qué comunidades es obligatorio y cuáles lo están estudiando

A pesar de que el Gobierno ha descartado implantar el uso obligatorio de la mascarilla en todo momento en todo el territorio nacional, la mayor parte de las comunidades autónomas han aprobado decretos para que toda la población mayor de seis años -12 en el caso de Navarra- las use aun cuando haya distancia de seguridad.  La primera en decretar esta medida fue la Generalitat de Cataluña, después del confinamiento de la comarca del Segrià para evitar la extensión de más de una quincena de brotes de COVID-19. Así, desde el 9 de julio, todos los ciudadanos en esa comunidad tienen que cumplir con la normativa. Poco después le siguieron Baleares, Extremadura y Aragón, cuyas normas ya se encuentran en vigor. Otras, como Andalucía, Cantabria o Ceuta también han decretado el uso obligatorio. La última comunidad en hacerlo ha sido la Comunidad de Madrid, que ha anunciado la obligación de llevarla este martes.

Quais os países europeus onde é obrigatório usar máscara?

A França foi o último país a entrar a entrar na lista dos que têm adotado o uso obrigatório de máscaras em espaços públicos exteriores. A obrigatoriedade do uso de máscara em locais públicos exteriores tem crescido na Europa e a França juntou-se esta sexta feira à lista de países que permitiram aos governo locais decretar obrigatoriedade no uso de máscaras em locais públicos, avançou a Reuters. Na Europa, Espanha e Portugal integram essa lista, mas, tal como na generalidade dos países, usar máscara é uma prática adotada pelos cidadãos sítios apenas em sítios fechados.
França
A 20 de de julho, o governo francês já tinha definido coimas de 135 euros para quem não usasse proteção facial em espaços como centros comerciais, bancos, interior de lojas e mercados fechados. Esta sexta-feira, os franceses deram um novo passo nesta matéria e o ministro da Saúde, Olivier Veran, revelou pelo Twitter que a decisão de impor um mandato de máscara “pode ​​ser tomada localmente, dependendo da situação da epidemia em cada região”. O governo de França também informou que na cidade de Lille o uso de máscara em áreas pedestres e parques da cidade será obrigatório

Inquérito Serológico Nacional COVID-19 indica seroprevalência de 2,9% de infeção por SARS-CoV-2 em Portugal

Os resultados do Inquérito Serológico Nacional COVID-19 (ISN COVID-19) indicam uma seroprevalência global de 2,9% de infeção pelo novo coronavírus na população residente em Portugal, não tendo sido encontradas diferenças significativas entre regiões e grupos etários. A seroprevalência agora estimada é compatível com uma limitada extensão da infeção na população portuguesa, entre março e junho de 2020, e inferior ao valor necessário para alcançar uma potencial imunidade de grupo. O ISN COVID-19, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), através dos seus departamentos de Epidemiologia e de Doenças Infeciosas, em parceria com a Associação Nacional de Laboratórios Clínicos (ANL) e vários Hospitais do Sistema Nacional de Saúde (SNS), revela uma seroprevalência global de acordo com valores obtidos noutros estudos seroepidemiológicos de base populacional e âmbito nacional realizados noutros países. As diferenças observadas entre a seroprevalência e a incidência acumulada da infeção por SARS-CoV-2 reportada pelo sistema nacional de vigilância são consistentes com a evidência de sub-captação de casos ligeiros ou assintomáticos pelos sistemas de vigilância.

COVID-19. As vacinas são seguras? Conheça os riscos e mitos

Vacina tem sido uma das palavras mais repetidas nas notícias e conversas nos cafés, mas será que todas as pessoas estão assim tão ansiosas para que uma solução deste tipo seja encontrada? Antes da pandemia de COVID-19, o movimento anti-vacinação ganhava voz um pouco por todo o Mundo, com pais a defenderem que existem mais riscos do que benefícios em vacinar as crianças.~Segundo a Bloomberg, as dúvidas prejudicaram a prevenção de doenças infecciosas como o sarampo e a mesma hesitação parece estar a surgir em relação ao novo coronavírus. Uma sondagem levada a cabo pela CNN em Maio mostra que um terço das pessoas nos EUA não tentaria obter uma vacina caso existisse. No Reino Unido, um estudo de Junho indica que um em cada seis inquiridos  não iria (de todo ou provavelmente) tomar a vacina para a COVID-19. A agência noticiosa lembra que há, de facto, alguns riscos associados a novas vacinas mas que a ideia de que uma imunização sólida contra doenças infantis é mais perigosa do que vantajosa é baseada numa fraude.

Paradoxos: Inglaterra foi o país com maior excesso de mortalidade na Europa por covid-19

Inglaterra foi o país com maior excesso de mortalidade na Europa durante a pandemia da covid-19, muito acima de Portugal, e embora Espanha tenha registado um pico mais elevado, segundo uma análise publicada hoje pelo instituto de estatísticas britânico. Segundo o estudo instituto de estatísticas britânico (ONS), que abrangeu o período entre 28 de dezembro de 2019 e 12 de junho de 2020 e analisou dados de 29 países, incluindo Portugal, Inglaterra atingiu um excesso de mortalidade de 107,6% em meados de abril, enquanto Espanha chegou aos 138,5% no final de março. Em Portugal, o excesso de mortalidade mais elevado aconteceu no início de abril, quando subiu até 17,8%. A análise, feita a partir de dados reunidos pelo instituto de estatísticas da UE Eurostat, concluiu que a pandemia covid-19 causou um aumento extraordinário das taxas de mortalidade no primeiro semestre de 2020 na Europa Ocidental.

Especialistas alertam que 2.ª vaga de coronavírus “afetará mais jovens e será muito diferente”

Uma segunda onda de coronavírus está “certamente a chegar” – mas desta vez poderá atingir mais jovens, alertam especialistas. A primeira onda de Covid-19 afetou predominantemente os idosos, aqueles com condições de saúde subjacentes e grupos minoritários étnicos. Mas os cientistas temem que os jovens sejam atingidos no próxima onda – como foi o caso da pandemia de gripe espanhola de 1918. O professor Roger Kirby, presidente eleito da Sociedade Real de Medicina, disse ao programa Today da Rádio 4 da BBC: “O inverno está a chegar e é quase certo que uma segunda onda do vírus chegue com a estação”. O investigador traçou um paralelo entre a Covid-19 e a pandemia de Gripe Espanhola de 1918 para justificar o alerta deixado. “O que vimos em 1918 foi uma mudança do vírus, a segunda onda foi diferente da primeira e afetou um grupo diferente de pessoas, predominantemente jovens.”

Baleares: Aviones que vienen vacíos y compañías que se resisten a dejar de volar

A las puertas del mes de agosto, aviones vacíos provenientes del Reino Unido llegan a Son Sant Joan.Las aerolíneas no se lo pueden creer, los turoperadores tampoco. Compañías como Ryanair, British Airways o easyJet se resisten a cancelar sus operaciones. Ayer mismo Iago Negueruela se reunió con el consejero delegado de easyJet, Johan Lundgren, en su despacho en la calle Montenegro. El sueco, exdirectivo de TUI, analizó con el titular de Turismo la situación del mercado británico. "Ninguno entendemos la decisión" del Reino Unido, explicó el conseller de Turismo, quien agradeció a Lundgren que siga programando vuelos a Balears. No obstante, el turoperador easyJet Holidays ha cancelado sus operaciones a España, incluyendo Balears. Se iban a reiniciar el 1 de agosto. TUI UK decidió suspender las vacaciones a las islas desde ayer hasta el viernes 31 de julio inclusive. Por su parte, Jet2 dejó también ayer de operar, solo realiza vuelos de regreso a las nueve bases británicas que están unidas con el archipiélago. Al menos, la compañía liderada por Steve Heapy durante la jornada movió la fecha de inactividad, pues estaba prevista hasta el 16 de agosto con España, pero en el caso de Balears y Canarias se restringirá hasta el día 9. Según datos de Aena ayer había programados 39 vuelos con el Reino Unido (18 salidas y 21 llegadas), para un total de 306 operaciones. Desde ABTA, la asociación de agencias de viajes británica, se critica que los anuncios de su Gobierno "tienen importantes implicaciones financieras" para empresas que ya están bajo una presión considerable y ahora tienen que volver a parar sus operaciones. El portavoz de ABTA censura a su Gobierno por no compartir en base a qué criterios sanitarios está tomando "decisiones políticas". Insta a Johnson a que avance "lo más rápido posible hacia un enfoque regional" para evaluar los riesgos la cuarentena. Se clama por corredores turísticos (Diário de Mallorca, texto da jornalista Myriam B. Moneo)

Desempregados e subutilizados já são 15,4% da população

A taxa de desemprego (dados provisórios) subiu de forma pronunciada em junho, para 7% da população ativa, indicou o INE. A taxa de subutilização do trabalho, o melhor indicador para medir os impactos da pandemia no mercado laboral, disparou para 14,6% da população em maio e agravou-se ainda mais em junho, atingindo 820 mil pessoas, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira. A taxa de desemprego (dados provisórios) subiu de forma pronunciada em junho, para 7% da população ativa. Segundo o INE, “a subutilização do trabalho é um indicador que inclui a população desempregada, o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inativos à procura de emprego mas não disponíveis para trabalhar e os inativos disponíveis mas que não procuram emprego”.

Inquérito aponta para medo de espaços públicos e cancelamentos de férias

No estudo da Deco, mais de três quartos dos inquiridos afirmam que evitam espaços públicos por medo de contágio de covid-19 e quase metade anularam os programas de férias. Mais de três quartos dos inquiridos num estudo da Deco afirmam que evitam espaços públicos por medo de contágio de covid-19, quase metade anularam os programas de férias e também cerca de metade adiaram projetos e investimentos. Segundo o inquérito da associação de defesa do consumidor, realizado entre 16 e 20 de julho, apesar da reabertura da maioria dos serviços e do regresso ao trabalho para uma parte da população, os inquiridos continuam a manifestar receio de voltar às rotinas anteriores ao início da crise provocada pelo novo coronavírus. Mais de três quartos dos 1006 inquiridos 'online', entre os 18 e 74 anos, declaram que evitaram ou deixaram mesmo de frequentar os espaços públicos, como restaurantes, transportes públicos ou centros comerciais, enquanto mais de metade cancelou ou adiou as férias e perto de metade adiou projetos inicialmente agendados para este ano, como, por exemplo, comprar casa ou um carro novo.

Foi uma Sexta-feira negra em toda a Europa


Como Ricardo Salgado e o gestor do BES Madeira contrataram um figurante para usar depósitos venezuelanos no financiamento do GES

Para conseguir usar os saldos das contas milionárias das empresas públicas venezuelanas, Ricardo Salgado montou uma complexa teia, com a ajuda de João Alexandre Silva, responsável pelo BES/Madeira, para forjar um investimento da empresa estatal dos petróleos da Venezuela na Rioforte. A operação, relatada pelo MP, incluiu um falso representante da PDVSA, e um falso concurso internacional para a gestão de fundos das entidades venezuelanas, no valor de 3,5 mil milhões. Em 2014, uma notícia nos jornais atribuía à desistência da Petróleos da Venezuela de injetar 700 milhões num hipotético aumento de capital da Rioforte de 1.000 milhões, que iria “salvar” a holding do Grupo Espírito Santo (GES) do incumprimento, a causa da precipitação da insolvência da holding que aglutinava a atividade não financeira do grupo. O que diziam os jornais à época? A 7 de maio de 2014 a Comissão Executiva do BES toma conhecimento da atribuição à ESAF de um mandato para a gestão de activos da PDVSA – Petróleos da Venezuela de 3,5 mil milhões de euros, onde expressamente constava a intenção de investimento de até 700 milhões de euros num aumento de capital na Rioforte. Nessa reunião, foi comunicado à Comissão Executiva do BES de que havia a expectativa de que o aumento de capital pudesse ocorrer até ao final de Junho.

Como Cavaco Silva aceitou financiamento de 253 mil euros do BES

A acusação dedica dez parágrafos no meio das quatro mil páginas que explicam como e de que valor foram as transferências feitas pelo GES à campanha presidencial de Cavaco Silva de 2011. O primeiro cheque de Ricardo Salgado foi assinado a 25 de novembro de 2010, seguido dos assinados pelos administradores executivos do banco José Manuel Espírito Santo Silva, Rui Silveira, Joaquim Goes, António Souto, Amílcar Morais Pires, Pedro Fernandes Homem e Manuel Fernando Espírito Santo Silva, presidente da Rioforte, e António Ricciardi, pai do então administrador José Maria Ricciardi. No total, a acusação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) – conhecida a 14 de julho com mais de quatro mil páginas – dedica uma página e meia ao que chama de “situação específica de donativo a campanha eleitoral”. Concretizando: a campanha presidencial de 2011 de Aníbal Cavaco Silva. São dez parágrafos que resumem os cheques (nove cheques do Banco Espírito Santo e um do Barclays), datados entre novembro e dezembro de 2010, por elementos do Grupo Espírito Santo (GES) e membros do conselho de administração e da comissão executiva do BES. Títulos estes que foram registados nas contas oficiais da candidatura de Aníbal Cavaco Silva, que lhe daria a vitória do segundo mandato entre 2011 e 2016. No total, foram feitas doações de 253.360 euros pelo clã Espírito Santo.

BES: O porteiro espanhol recrutado por Salgado que custou 300 milhões à Venezuela

Salgado mandou recrutar um venezuelano para se fazer passar por dirigente da PDVSA. Um porteiro conseguiu desbloquear várias contas no BES para investir em dívida da ESI que passou para a Rioforte. A história tem ingredientes de um verdadeiro filme de Hollywood, em que Ricardo Salgado assume o papel principal num enredo que começa com o roubo de identidade a um porteiro espanhol, desenvolve-se com documentos forjados e reuniões inventadas, e acaba com a Petroleos da Venezuela SA (PDVSA) a perder mais de 300 milhões de euros com a falência da Rioforte, em 2014. No início daquele ano, já com a ESI em dificuldades financeiras, Ricardo Salgado montou um esquema para ter acesso a fundos da PDVSA depositados no BES, que seriam aplicados em obrigações da Rioforte, ficcionando para isso um concurso lançado pelo grupo petrolífero venezuelano para a gestão de um fundo de ativos e de uma carteira de investimentos no valor acima de 3,5 mil milhões. Toda a ação é contada pelo Ministério Público no despacho de acusação no âmbito da investigação “Universo Espírito Santo”.

Portugal está oficialmente em recessão


Crise Desemprego agravou-se em 86% dos concelhos do país

Eum cenário de incerteza aquele que pinta o mapa nacional desde que a pandemia da covid-19 tomou conta da economia. Nos quatro meses que separam fevereiro — o último mês pré-covid— e junho deste ano o número de desempregados inscritos nos centros de emprego aumentou 29%. São mais 91.103 desempregados registados do que há quatro meses. E se é verdade que o lay-off simplificado terá tido um efeito travão na escalada destes números, a ‘bazuca’ criada pelo Governo para segurar postos de trabalho não conseguiu impedir que o desemprego aumentasse em 86% dos concelhos do país. Em dois deles, Cadaval e Ponte de Lima, o número de desempregados mais do que duplicou nos últimos quatro meses. O Expresso analisou os dados do desemprego registado por concelho, divulgados mensalmente pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), para medir o impacto da crise no mercado de trabalho.
Nos 279 concelhos do continente com dados do IEFP, seis viram os seus níveis de desemprego aumentar mais de 80% entre fevereiro e junho. Na radiografia que os dados permitem fazer é possível perceber que em cerca de metade (55%) dos concelhos do país os impactos económicos da pandemia se traduziram num aumento do desemprego registado em até 30%. Em 20,5% do território do continente o desemprego agravou-se entre os 30% e os 50% e cerca de 9,7% dos concelhos registaram quebras acima disso.

Ministro admite crescimento do desemprego


Apenas 2,9% dos portugueses têm anticorpos contra a Covid-19

***

Europa sofre a maior queda do PIB desde que há registo


andemia provoca quebras nas contas do principais bancos nacionais


Quebra histórica do PIB: A recuperação vai ser muito lenta


PIB regista maior queda de sempre devido à pandemia de Covid


Tribunal de Contas: RESPOSTA AO COVID19 FOI RÁPIDA E INTENSA E ENVOLVEU MAIS DE 1,7 MIL MILHÕES DE EUROS ATÉ MAIO

O Tribunal de Contas concluiu que a resposta à COVID19, nos primeiros três meses da pandemia, foi rápida e intensa, tendo sido adotadas várias políticas públicas e medidas pelos 18 ministérios, mais de 100 entidades públicas e privadas e pelo Serviço Nacional de Saúde, envolvendo até maio mais de 1,7 mil milhões de euros. O relatório hoje divulgado, “COVID19 - Medidas e Reporte nos Primeiros Três Meses”, é o primeiro de dois a divulgar em 2020 no âmbito da execução orçamental, tal como o Tribunal tinha referiu quando anunciou as novas ações que iria realizar em 2020 com vista a auditar as medidas COVID19 adotadas e respetivo impacto. O Relatório salienta que, desde o início da pandemia da COVID-19 em Portugal, foi visível o reforço excecional de um conjunto variado de políticas públicas tendo em vista a mitigação dos seus efeitos, quer no domínio da saúde, quer ao nível da atividade económica. Ainda assim, deixa ficar o alerta. O planeamento, implementação e gestão desta resposta pública de emergência exigem uma atenção reforçada e constante na produção e utilização da informação à atuação coordenada de um número tão alargado de entidades, tanto mais que não foi criada uma estrutura específica para coordenar e acompanhar centralmente a resposta à pandemia.

Tribunal de Contas: REDUÇÃO DO ABANDONO ESCOLAR COM FRANCOS PROGRESSOS, MAS PERMANECE AUSÊNCIA DE ESTRATÉGIA GLOBAL E DE CONHECIMENTO DA REAL DIMENSÃO

O Tribunal de Contas conclui que há francos progressos na redução do abandono escolar, com a meta dos 10% em vias de ser atingida, mas constata que falta uma estratégia global de combate ao abandono e que em Portugal os números reais não são conhecidos. No Relatório de Auditoria ao Abandono Escolar Precoce, hoje divulgado, o Tribunal de Contas deixa ainda o alerta para o facto de o recente recurso ao ensino a distância, para mitigar o impacto da pandemia de Covid-19, estar a ampliar e a intensificar os riscos de Abandono dos alunos com uma relação mais frágil com a escola. O Relatório incide sobre o “Abandono” entendido como a saída do ensino apenas com a conclusão do ensino básico, o 9.º ano, ou outro nível inferior, sendo o combate a este fenómeno um dos pilares da política de educação da União Europeia e um objetivo de Portugal, que definiu como meta a redução do Abandono a 10% em 2020, em linha com a prioridade da Estratégia Europa 2020 e da Agenda 2030. Entre as conclusões, o Tribunal destaca os avanços registados em Portugal, onde o indicador internacional do Abandono aplicado pelo INE (Taxa de Abandono Escolar Precoce) evoluiu de 50%, em 1992, para 10,6%, em 2019 (já muito próximo da meta de 10%).

Pandemia ‘castiga’ jovens portugueses. 63% sofreu quebra de rendimentos

As faixas etárias dos 18 aos 21 e dos 22 aos 37 anos foram as mais afetadas pela redução de rendimentos causada pela pandemia Covid-19 (67%). Em contrapartida, as gerações mais velhas (55 aos 64 anos) e com mais de 65 anos foram as menos afetadas, com percentagens de 42% e 20%, segundo apurou a edição especial do “EPCR 2020 – European Consumer Payment Report”, da Intrum. O ‘White Paper Covid-19″, divulgado esta terça-feira, revela o impacto financeiro da pandemia nos consumidores e nas suas finanças pessoais, abrangendo 24 países europeus, incluindo Portugal, e mostrando que a pandemia afetou as gerações mais jovens. Em Portugal, 63% dos jovens inquiridos, entre os 22-37 anos, afirma que a Covid-19 teve um impacto negativo no seu bem-estar financeiro, valor bastante superior à média europeia dos jovens inquiridos nesta faixa etária, que se situa nos 53% e também superior à média europeia do total de inquiridos, que é de 47%.

Covid-19: IATA agrava projeções e só prevê recuperação do tráfego aéreo em 2024

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) piorou hoje as previsões sobre recuperação do tráfego aéreo, prevendo agora que só se atinjam em 2024 os níveis anteriores à covid-19, devido a uma “recuperação mais lenta do que esperado”. “O tráfego global de passageiros só regressará aos níveis pré-covid-19 em 2024, um ano mais tarde do que o previsto anteriormente”, indica a IATA numa projeção hoje divulgada. Isto porque, de acordo com a associação que representa 209 companhias aéreas a nível mundial e 82% do transporte global, “o tráfego de passageiros de junho de 2020 revelou recuperação mais lenta do que era esperado”. A IATA afirma, também, esperar que “a recuperação em viagens de curta distância continue a ser mais rápida do que em viagens de longa distância”. Em concreto, a contribuir para este cenário de “recuperação mais pessimista” está relacionado com a “redução das viagens realizadas pelas companhias aéreas”, com a “fraca confiança dos consumidores” e ainda com a “lenta contenção do vírus nos Estados Unidos e nas economias em desenvolvimento”, como a China.
“Devido a estes fatores, a previsão revista da IATA é de que os planos globais [de tráfego] caiam 55% em 2020 em comparação com 2019”, enquanto a previsão de abril passado era de um declínio de 46%, recorda a associação internacional. Esta entidade diz ainda esperar que “o número de passageiros aumente 62% em 2021 em relação à redução acentuada de 2020, mas ainda assim será inferior em quase 30% em comparação com 2019”. Por isso, “não se espera uma recuperação total para os níveis de 2019 até 2024, um ano mais tarde do que o previsto anteriormente”, conclui a IATA. A pandemia de covid-19 teve sérias consequências nas viagens a nível mundial devido às medidas restritivas adotadas para conter o surto, com as companhias aéreas a registarem sérias dificuldades financeiras devido à falta de liquidez (ED)

Estes são os países com maiores reservas de ouro (Portugal está na lista)

Portugal aparece em 15.º lugar na lista dos países com as maiores reservas de ouro em todo o mundo. Nos cofres portugueses moram 382,5 toneladas de barras de ouro, segundo os mais recentes dados do Fundo Monetário Internacional e do World Gold Council. No primeiro lugar da lista aparecem os Estados Unidos da América, com reservas oficiais de 8.133,5 toneladas de ouro: mais do que o dobro dos dois países que aparecem a seguir na lista. A justificação poderá estar no facto de que, entre 1913 e 1961, a Reserva Federal era obrigada a ter nos seus cofres ouro equivalente a pelo menos 40% do valor da moeda. Logo depois aparecem Alemanha (3.369,7 toneladas), Itália (2.451,8 toneladas) e França (2.436 toneladas). O top 5 é fechado pela Rússia, com reservas de 2.150,5 toneladas de ouro, de acordo com a mesma análise.
TOP 15
Estados Unidos
Alemanha
Itália
França
Rússia
China
Suiça
Japão
India
Holanda
Zona Euro
Turquia
Taiwan
Cazaquistão
Portugal (ED)

“Mesmo com uma vacina, não há como voltar ao normal tão cedo”, alertam especialistas

Dois dos principais especialistas em doenças infecciosas dos Estados Unidos apresentaram um olhar preocupante sobre a batalha que está ainda por vir contra a Covid-19. “Mesmo com uma vacina, não há como voltar ao normal tão cedo”, disse Thomas Frieden, ex-diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, num evento virtual da ‘CNBC’, sobre o regresso seguro ao local de trabalho. “Preparem-se para, pelo menos, oito a 12 meses dessa situação”, disse Frieden, que agora dirige a organização de prevenção de doenças ‘Resolve to Save Lives’. Já Michael Osterholm, diretor do Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota, estima que 7% a 9% da população total dos EUA tenha sido infetada com coronavírus, o que significa que “o pior ainda está por vir”, enfatizou, ressalvando que o melhor entendimento no campo da medicina é que a transmissão não diminuirá até que 50% a 70% da população esteja infetada.

Imposição de quarentenas na Europa coloca em risco 197,5 milhões de empregos

A imposição de quarentenas entre países europeus pela covid-19, como as do Reino Unido ou da Noruega a viajantes provenientes de Espanha, coloca em risco até 197,5 milhões de empregos este ano a nível global, foi hoje anunciado. Numa entrevista à Efe, a presidente do World Travel and Tourism Council (WTTC), Gloria Guevara, recordou que nestas previsões para o setor, que apontam para o pior dos cenários, a queda do turismo causaria uma perda no Produto Interno Bruto (PIB) mundial de mais de 5,5 biliões de dólares (4,7 biliões de euros), menos 62% que em 2019, e o número de chegadas turísticas a nível mundial seria reduzido em 73%. A falta de colaboração entre os países europeus para estabelecer um quadro comum contra a covid-19 fará aumentar o número de empregos afetados no Velho Continente em 2020 de 18,4 milhões para 29,5 milhões, com uma perda de 1,6 biliões de dólares (1,4 biliões de euros) no PIB.

Tribunal de Contas: AUTORIDADE NACIONAL DE RESOLUÇÃO SEM INDEPENDÊNCIA OPERACIONAL

​A Autoridade Nacional de Resolução (ARN), sob a alçada do Banco de Portugal, não tem um modelo de governo, nem meios suficientes, para assegurar a sua independência operacional em matéria de resolução bancária e evitar potenciais conflitos de interesse com as funções de supervisão e outras atribuídas ao Banco de Portugal (BdP). Para essa habilitação, é importante a prevenção e redução dos riscos significativos reportados e suscetíveis de serem agravados com o impacto adverso da pandemia da Covid-19. Estas são algumas das principais conclusões da auditoria sobre a Prevenção da Resolução Bancária em Portugal. Este relatório também contribui para a auditoria paralela à atividade de resolução bancária na União Europeia, sob responsabilidade das ANR. Esta atividade resulta em grande parte das lições retiradas da crise financeira internacional desde 2007, que revelou deficiências graves nos mecanismos existentes para prevenir e lidar com situações de falência de instituições financeiras, com consequências lesivas da estabilidade do sistema financeiro e da sustentabilidade das finanças públicas em países da União Europeia.

Nota: a urgência e a seriedade que a pandemia exige na Madeira

Acho que foi Pedro Calado quem recentemente defendeu a urgência da Madeira dar a volta e encontrar um novo paradigma económico, para que não dependa tanto e tão excessivamente (e abusivamente) de actividades como o turismo e a construção, muito volatilizadas, dependentes de factores exógenos que não controlam. Aliás como se viu agora, com esta crise pandémica que de uma forma bastante intensa, afectou sobretudo o turismo.
O problema é que eu acho que as pessoas que devem tomar a iniciativa dificilmente o farão porque acham que nada vai mudar e que o covid19 é apenas um episódio isolado, que não se repetirá no futuro, pelo que tudo deverá voltar ao normal quando a vacina for descoberta. A descrença perceptível na classe médica e científica quanto a isso - falo dos alegados "milagres" de uma vacina e da garantia de imunidade total das pessoas, quando é sabido que o problema assentas na incerteza de que nunca haverá uma vacina que combata o medo que se instalou entre as pessoas - a quase certeza de que o novo normal nada tem a ver com o passado recente, tudo isso faz-me acreditar que se não forem tomadas as iniciativas que devem ser tomadas, de discussão, de debate, de troca de ideias, de selectividade de actividades económicas, etc, etc, se não formos sérios na abordagem da realidade, se não discutirem livremente, com frontalidade e pragmatismo, o que está mal, o que deve ser feito e as mudanças que devem ser operadas, suspeito que em caso de situações futuras semelhantes a esta crise sanitária que estamos todos a passar, e seus efeitos devastadores, ilhas como a Madeira serão lançadas pelos caminhos da insolvência, da miséria, da fome e da desgraça, em grande medida devido à nossa vulnerabilidade, à insularidade e à periferia, sempre condicionadoras. Por isso haja seriedade e não fiquemos por palavras isoladas, chavões ou declarações de intenções. Nas redes sociais começam a surgir movimentos apologistas de medidas concretas muito mais incisivas, por exemplo a suspensão de autorizações de abertura de determinados negócios, casos de restaurantes de pequenas dimensões, de lojas de rent-a-car e outros serviços associados ao turismo, que proliferaram, abusivamente nos últimos anos e que dependeram apenas e só dos turistas, não dos residentes. E não me venham culpar apenas a covid19 pelos males do turismo e actividades satélites, porque todos sabemos que mesmo antes da pandemia as coisas estavam a começar a ficar bem negras, já havia despedimentos e muitos temiam pelo futuro. E apenas devido ao Brexit ou à progressiva e lenta normalidade de mercados concorrenciais no norte de África, cujas crises sociais, políticas e militares desviaram turismo para outros destinos, criando a ilusão de uma mudança que era meramente pontual. Mas quanto a isso deixo aos especialistas a tarefa enorme de encontrarem os tais novos caminhos, de apontarem alternativas, etc. Se é que eles existem.
E não me venham com chavões da treta como as "regras do mercado" e outras idiotices dessas. Porque quando isto deu o "berro", essas benditas regras do mercado livre e privado foram deitadas no lixo e foi o Estado, tantas vezes olhado como o "bicho papão" que ameaça os privados, quem teve de acudir para que o caos não se instalasse. A realidade empresarial regional é a que é marcada por uma fragilidade de tesouraria (e de facturação) quase generalizada, assente em micros empresas, salvo algumas excepções, com empregos instáveis, com recurso a outras soluções temporárias, etc, porque a dimensão do nosso mercado é a que é, e quanto a isso não a podemos esticar.
Dou-vos um exemplo do que pode resultar de uma falta de organização, de diálogo e de falta de responsabilidade empresarial: numa determinada zona turística da cidade, e isso já acontecia antes da pandemia (e não neguem porque todos os dias percorro essa zona e sei do que falo), há restaurantes, muitos deles lado ao lado na mesma rua, que fecham para descanso do pessoal à segunda-feira. Em 10 temos 8 fechados! Os poucos turistas que andam por ai - e dizem que a situação vai melhorar agora, oxalá que sim, naquele dia em concreto, e na referida zona turística da cidade a que aludo - apenas podem desfrutar de um ou dois restaurantes abertos na zona porque os outros estão encerrados. Pergunto: o que é que impede que esta prática seja alterada e que os restaurantes acordem entre si que as folgas, pelo menos nesta fase, sejam diluídas ao longo da semana e não concentradas apenas num dia da semana garantindo assim adequada resposta aos clientes que deixam de esbarrar com estabelecimentos encerrados, quase porta sim-porta não? (LFM)

Presidente do Governo: «Sin turismo, el hambre se comerá a Canarias»

La dependencia del turismo ha puesto en un serio aprieto a las islas este fin de semana y las declaraciones de esta mañana de Ángel Víctor Torres en el programa Más de uno, de Onda Cero, son contundentes: «Si no tenemos turismo, el hambre se comerá a Canarias». Después de conseguir que el archipiélago quedara fuera de las recomendaciones «poco seguras» para viajar y que el turoperador TUI mantuviera sus conexiones aéreas, la decisión de Reino Unido de establecer una cuarentena a los pasajeros que lleguen de España (incluyendo Canarias), ha pillado por sorpresa al gobierno.
«La coherencia y el sentido común deben imperar: tenemos un desarrollo de la pandemia más favorable que la mayoría de países de la Unión Europea, estamos a 2.000 kilómetros, somos región ultraperiférica y sólo se puede acceder por barco o avión, no veo el sentido de mantener la cuarentena», explicó. Sin embargo, en las reuniones diplomáticas mantenidas este lunes, el embajador británico Hugh Elliot ha comparecido ante los medios asegurando que no habrá excepciones para las islas, una decisión «difícil pero necesaria por razones de salud pública».
Torres insisite en que la comunidad autónoma no podrá sobrevivir sin la apertura al exterior cuando a un economía cuyo peso recae en este sector se le suman unas cifras de ERTE de las más altas del país. Una solución para despenalizar al turismo que viaje a Canarias, vuelve a solicitar el presidente, es realizar pruebas PCR en destino: «Controlando los aeropuertos y puertos ya se evita una gran parte de la propagación» (Canárias7)

Canárias: La patronal apunta que la tasa de paro en las islas es del 40%

Canarias está «más cerca» de registrar una tasa del 40% de paro que del 21,55% que ofreció ayer la Encuesta de Población Activa (EPA). Así lo entiende la Confederación Canaria de Empresarios (CEE) que presentó su Informe anual de la Economía Canaria referido a 2019, así como un análisis de la situación actual y las consecuencias que está dejando la pandemia en la actividad económica y el empleo de las islas. El secretario general de la entidad, José Cristóbal García, indicó que además de los 225.900 desempleados que recoge la EPA, 97.000 activos «han caído» en inactivos y aún permanecen 140.000 trabajadores en ERTE. Todas estas cifras suman casi 470.000 personas que se encuentran sin trabajo, en torno a ese 40% que el presidente de la Confederación, Agustín Manrique de Lara, confía en que sea un porcentaje «transitorio» y se vuelva a números «asumibles». «No es una foto fija», añadió. Además, las previsiones de la patronal apuntan a una caída de la economía en el archipiélago del 18% para este ejercicio, la cifra más pesimista de la horquilla que manejan otras entidades y el Gobierno de Canarias.

Canárias: El archipiélago destruyó más de 108.000 empleos por la covid

Ya es oficial: el mercado laboral de Canarias ha sido el más castigado por la pandemia del coronavirus. En esta comunidad autónoma se destruyeron uno de cada diez puestos de trabajo perdidos en toda España durante el segundo trimestre de 2020, un periodo marcado por la paralización de la actividad económica, pero sobre todo de la principal fuente de ingresos de las islas: el turismo. Entre abril y junio se perdieron en el archipiélago 108.000 puestos de trabajo, lo que representó la pérdida de un 11,62% del empleo respecto al primer trimestre. Es la caída relativa más importante de las registradas en toda España, según la encuesta de población activa (EPA) dada a conocer ayer por el Instituto Nacional de Estadística (INE). Y nunca antes el territorio canario se había enfrentado a un desplome del empleo de estas dimensiones en un solo trimestre.

quarta-feira, julho 29, 2020

Espanha: um estrango escândalo no Podemos...

fonte: Sábado

Covid19 e os riscos de outras doenças

fonte: Correio da Manhã

Demografia

fonte: Visão

BES-NB: “Há uma dimensão política e uma dimensão ética que merece reflexão"


Sondagem deprimente...

fonte: Correio da Manhã

A Madeira e o MAR

fonte: Público

Os pagamentos dos sacos azuis do BES

fonte:Visão

Sondagem confirma dependência crescente

fonte: Jornal de Notícias

Outra sondagem sobre o SNS

fonte: Público

Sondagem sobre o uso dos transportes públicos

fonte: Correio da Manhã

Duas potenciais vacinas para a Covid-19 entraram na última fase de testes


Portugueses que tiveram Covid-19 com risco de doença severa


Barómetro sobre saúde

fonte: Jornal de Negócios

PAN não larga polémicas...

fonte: Correio da Manhã

Esperar não custa....

fonte: Correio da Manhã

A Pandermia e os rendimentos dos cidadãos

fonte: Correio da Manhã

Covid-19 em Espanha: Haverá mais 16.400 mortos do que o número oficial...


Aeroportos e viagens em queda

fonte: Correio da Manhã

Máscara passa a ser obrigatória na Madeira


Intolerável: Portugueses oriundos de Moçambique sem teste à chegada a Portugal